Portugueses pagam em comissões bancárias o dobro dos espanhóis

Em Portugal foram analisados o Novo Banco, o Millennium BCP, o Santander Totta e o Activo Bank, pertencente ao BCP

Os clientes bancários em Portugal pagam, em média, 78 euros anuais de comissões por serviços bancários, mais do dobro do que em Espanha, ainda que abaixo da média dos sete países analisados, segundo um estudo da consultora Deloitte.

O estudo feito para a Associação Espanhola de Banca e Confederação de Caixas de Aforro, que analisa a prestação de 120 serviços bancários simples e para clientes da banca digital em sete países europeus (Espanha, Portugal, França, Reino Unido, Holanda, Alemanha e Itália), conclui que o Reino Unido é o país europeu mais barato na prestação de serviços bancários básicos (abertura e gestão de conta, cartões de pagamento, levantamento de dinheiro, mudança de morada, descoberto não autorizado, entre outros), com um preço anual médio de 20 euros, seguido de Espanha com uma média anual para os serviços analisados de 38 euros.

Já em Portugal, em média, o cliente paga 78 euros por ano pelos mesmos serviços, mais do dobro do que pagaria em Espanha.

Portugal tem estes serviços mais caros do que Reino Unido e Espanha, mas também do que a Holanda (com uma média anual de 67 euros)

Em contrapartida, os valores cobrados em Portugal ficam abaixo de Itália (119 euros), França (135 euros) e Alemanha (181 euros), que é o país com serviços bancários mais caros, e ainda abaixo da média dos sete países analisados (91 euros).

Para este estudo, a Deloitte analisou as comissões de 36 bancos nos sete países europeus referidos, dos quais 12 bancos são em Espanha e quatro em cada um dos outros seis países.

Em Portugal, foram analisados Novo Banco, Millennium BCP, Santander Totta e Activo Bank (que pertence ao BCP, analisado enquanto banco nativo digital).

O estudo avaliou ainda a oferta digital dos bancos e as poupanças que os clientes conseguiriam se optassem por esta via em vez da via dita tradicional de relacionamento bancário.

Em Portugal, segundo o estudo, a oferta digital permite ao cliente português trabalhar com o seu banco por 61 euros por ano, numa poupança de 28% face à via tradicional, mas acima da média europeia (60 euros).

Já em Espanha, os mesmos serviços em banca digital custam apenas 20 euros, quase metade do que custam na via tradicional (38 euros) e um terço da média europeia (60 euros).

Quanto ao número de serviços prestados aos clientes - serviços transacionais e serviços não transacionais -- em Espanha é onde é oferecido o maior número de serviços por entidades financeiras (115, dos quais 87 gratuitos).

Em Portugal são prestados 69 serviços (apenas 47 gratuitos, o valor mais baixo dos sete países analisados), abaixo da média europeia (82) e só acima do Reino Unido (67, dos quais 52 gratuitos).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.