Portugueses gastaram 1,5 mil milhões de euros por dia em 2017

No ano passado registaram-se 7,4 milhões de operações bancárias por dia, mais 567 mil do que durante o ano de 2016

Os portugueses acompanharam no ano passado a evolução positiva da economia e abriram a bolsa ao consumo. Por dia, registaram-se em média 7,4 milhões de operações de pagamento no Sistema de Compensação Interbancária (SICOI), num total de 1,5 mil milhões de euros, ou seja, mais 567 mil operações e 118,3 milhões de euros do que em 2016, divulgou ontem o Banco de Portugal (BP). As operações de débito direto também aumentaram, sinal de maior confiança no processo, e verificou-se uma quebra no uso de cheques. Já as compras online continuaram a não cativar os nacionais, assim como os cartões contactless (leitura por aproximação do cartão de pagamento).

O SICOI, entidade responsável pelo processamento das operações de retalho no país, liquidou no ano passado mais de 2,5 mil milhões de operações, no valor de 417 mil milhões de euros, segundo o Relatório dos Sistemas de Pagamentos de 2017 que ontem o BdP tornou público. Tanto em número como em valor, as operações aumentaram 8%.

A rede multibanco mantém-se como preponderante no sistema, com uma representação de 86% no total de operações de pagamento de retalho. As compras pesaram 49,5%, 21,1% dizem respeito a levantamentos e 19,8% a operações de baixo valor. O SICOI registou mais de 2,1 mil milhões de operações com cartões bancários na rede multibanco, que totalizaram no ano passado 115 mil milhões de euros, ou seja, mais nove mil milhões do que em 2016. Segundo o relatório, as compras aumentaram 11,2% em número e em valor. No final de 2017, a rede multibanco tinha 14,6 milhões de cartões de débito em vigor e seis milhões de cartões de crédito.

As transferências a crédito representaram 222,3 mil milhões (53,3% do total do valor processado) das operações de pagamento a cargo do SICOI. A quase totalidade destas operações (99,8%) diz respeito a transferências de acordo com os requisitos da Área Única de Pagamentos em Euros (SEPA). Face a 2016, as operações a crédito aumentaram 8,2% em volume e 10,9% em valor.

Os débitos diretos foram o instrumento de pagamento que registou o maior crescimento. No ano passado, foram processados 179,4 milhões de operações com um valor global de 24,5 mil milhões, o que perfaz um aumento de 12,1% em número e 16% em valor. Já a utilização do papel, o designado cheque, começou a entrar em desuso, representando apenas 1,3% do volume de pagamentos. Segundo o relatório do BdP, os cheques emitidos no ano passado totalizaram 55 mil milhões, mas registaram uma quebra de 5,8% em valor e de 11,6% em número. Os cheques devolvidos por insuficiência de provisão caíram 12,2%, assim como as entidades na lista vermelha (menos 13%).

As compras online continuam a ter uma expressão reduzida no país. Apenas 3,9% do número e 5,9% do valor das compras realizadas no ano passado foram efetuadas neste registo. O recurso à tecnologia de leitura por aproximação do cartão de pagamento (contactless) ainda não entrou no dia-a-dia dos portugueses. Só 1,6% do número e 0,6% do valor em compras presenciais foram liquidados por esta via.

No relatório, o BdP sublinha que estão a ser preparadas alterações no SICOI, como o aumento do valor máximo por operação nos subsistemas de cheques, transferências a crédito e débitos diretos, e a introdução de uma solução para a realização de transferências imediatas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.