Portugal vence corrida que garante investimento da Google em Oeiras

Gigante tecnológica vai instalar em junho um centro de operações para apoiar os seus fornecedores
externos. Operação obriga à contratação de 500 trabalhadores altamente qualificados, maioritariamente engenheiros

A lista de candidatos era longa, mas Portugal foi o noivo eleito: a Google vai criar um novo centro de operações em Oeiras, que deverá entrar em funcionamento em junho. O sítio escolhido é o Lagoas Park, que já conta com uma centena de empresas, e onde a multinacional passará a ocupar uma área de 7000 metros quadrados divididos por quatro pisos de escritórios.

O anúncio da vinda foi feito ontem em Davos, por António Costa, numa intervenção em que dava conta dos "muitos investimentos em perspetiva" no país. O chefe do governo não se perdeu em detalhes, mas anunciou que o projeto "arrancará logo com a criação de 500 empregos qualificados, sobretudo na área da engenharia". Adiantou ainda que, "para além de novos investimentos, verifica-se também que empresas de grande dimensão como a Siemens ou a Bosch estão a reforçar os seus investimentos" no país.

O entusiasmo do primeiro-ministro não é de estranhar. Segundo o DN/Dinheiro Vivo apurou, há vários meses que o governo português se mobilizava para atrair o novo investimento da Google, fazendo por se destacar entre outros países que também se posicionavam para agarrar este centro. A jogo foram os ministérios da Economia e Negócios Estrangeiros, tendo o processo sido acompanhado sempre bem de perto por António Costa, em São Bento.

Em novembro, quando o mundo tecnológico voltou os olhos para Portugal, as negociações intensificaram-se, trazendo a confirmação: "A opção da Google recaiu em Portugal por a empresa considerar o nosso país como digital friendly. Durante a última edição da Web Summit desenvolveram-se os últimos contactos", confirmou ao DN/Dinheiro Vivo fonte oficial do Ministério da Economia, adiantando que "os escritórios da Google vão entrar em funcionamento no final de junho de 2018", trazendo para a região de Lisboa "empregos altamente qualificados".

Mas que serviços vai a Google providenciar a partir de Oeiras? Conforme foi possível apurar, será um centro de operação que vai apoiar um conjunto de empresas que são fornecedoras de serviços à Google, como apoio tecnológico ou comércio digital, daí a necessidade de se admitirem pessoas com elevadas qualificações, a maioria do ramo da engenharia.

A empresa, para já, poupa-se nos detalhes, mas admite que o novo centro de operações será "totalmente dedicado a fornecedores terceiros", disse fonte oficial ao DN/Dinheiro Vivo.

Investimento "dá visibilidade"

Na Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais lembra a importância de trazer para a região um novo "hub tecnológico" que vai trabalhar para a Europa, Médio Oriente e África.

"Compete a Oeiras criar todas as condições para que as grandes empresas se instalem no concelho e por isso tem de investir na mobilidade, em melhores acessibilidades e melhores transportes", adiantou o autarca ao DN/Dinheiro Vivo.

Isaltino Morais não esconde que o novo investimento "dá visibilidade ao município", mas lembra que "essa visibilidade decorre do facto de há muitos anos Oeiras ter vindo a criar condições para ser um espaço de acolhimento de empresas de base tecnológica - como é o caso da Google - e isso tem que ver com o ambiente, ordenamento do território, acessibilidades, escolas e equipamentos, no fundo, em criar condições para que o core do concelho seja centrado nas empresas de base tecnológica".

Em Oeiras ou não, Paddy Cosgrave, líder da Web Summit, não tem dúvidas de que a Google será apenas uma de várias empresas a escolher Lisboa como base. Nas redes sociais, o irlandês partilhou a notícia da vinda da multinacional e acrescentou: "Os rumores são que a Google é a primeira de várias empresas tecnológicas de alto perfil a abrir escritórios em Lisboa. É a confirmação do ótimo trabalho da comunidade portuguesa e do governo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.