Portugal vai dar prémios para a mobilidade inteligente

O site Motor24 e o Global Media Group promovem os primeiros prémios para a mobilidade inteligente. O lançamento dos Global Mobi Awards é feito já amanhã, no arranque da Lisbon Mobi Summit, e pretende distinguir cidadãos, entidades públicas e empresas privadas

O site Motor24 e o Global Media Group vão promover os primeiros prémios para a mobilidade inteligente em Portugal. A iniciativa é apresentada amanhã no arranque da Lisbon Mobi Summit, na sede da EDP, em Lisboa.

Mobilidade elétrica, condução autónoma, mobilidade partilhada, gestão da mobilidade nas cidades e transportes mais eficientes e flexíveis, são temas cada vez mais prementes na agenda pública e na vida dos cidadãos.

É para promover uma nova cultura de mobilidade e distinguir as melhores práticas, produtos, tecnologias e ações de mobilidade inteligente em Portugal que o site Motor24 lança os Global Mobi Awards. O objetivo dos prémios é também dar visibilidade ao paradigma da mobilidade inteligente e estimular projetos e políticas que possam contribuir para uma economia descarbonizada e circular.

Para isso, foram criadas nove categorias para o galardão, que abarcam diversos temas da mobilidade inteligente, divididos em duas grandes áreas - uma primeira destinada a Cidades, Empresas/Organizações e Cidadãos e uma segunda mais orientada para produtos, tecnologias e serviços. Cada uma destas áreas terá um júri independente, constituído por personalidades ligadas aos temas da mobilidade - especialistas, académicos, jornalistas, representantes de associações e empresas.

Dos elétricos às smart cities

De acordo com Rui Pelejão, editor executivo do site Motor24, o objetivo destes prémios é abarcar um largo espetro da oferta da mobilidade elétrica descarbonizada, em Portugal: "Além de premiar os veículos híbridos, elétricos e movidos a energias alternativas que representem a melhor opção para o consumidor e o ambiente, teremos também em avaliação uma nova geração de serviços de mobilidade, como o carsharing ou o bikesharing e distinguiremos tecnologias que melhor sirvam uma mobilidade mais segura e eficiente."

As candidaturas estão também abertas a autarquias, empresas, organizações que tenham implementado ou em fase de implementação soluções de mobilidade inteligente. "Mas queremos também dar espaço a uma cidadania ativa neste domínio e teremos um prémio destinado a boas ideias para a mobilidade inteligente que sejam oriundas da sociedade civil e dos cidadãos", disse Rui Pelejão.

Para Robert Stussi, especialista em mobilidade e presidente do júri, esta "é uma oportunidade para as cidades e organizações portuguesas".

Por outro lado, acrescentou, "é a oportunidade de terem prémios nacionais, acessíveis por um número muito maior de entidades e cidadãos". A finalidade destes troféus é divulgar boas práticas que visam potenciar a inovação, governança da descarbonização, e promover o mindset para sermos "pessoas co e multimodais", disse Robert Stussi.

Esta inédita iniciativa do Motor24 conta com o apoio da OK Teleseguros, da Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE), da Associação Portuguesa do Veículos Elétrico (APVE) e do Programa Polis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.