Portugal teve o único recuo no custo do trabalho no 1.º trimestre

Segundo o Eurostat, o indicador aumentou 2,7% na União Europeia e 2,0% na zona euro

Portugal registou no primeiro trimestre do ano a única quebra homóloga (-1,5%) nos custos horários da mão-de-obra, tendo o indicador aumentado 2,7% na União Europeia (UE) e 2,0% na zona euro, segundo o Eurostat.

De acordo com o gabinete oficial de estatísticas, os principais aumentos nos custos horários da mão-de-obra no conjunto da economia registaram-se na Roménia (12,7%), na Letónia (11,2%) e na Hungria (10,3%) e o único recuo em Portugal (-1,5%).

No quarto trimestre de 2017, o custo do trabalho tinha aumentado, em termos homólogos, 1,4% na zona euro, 2,3% na UE e 5,3% em Portugal.

Considerando as duas principais componentes dos custos da mão-de-obra, na zona euro os salários aumentaram 1,8% no primeiro trimestre do ano e a parte não salarial 2,6%, face ao mesmo período de 2017.

Já na UE, a parte salarial subiu 2,7% e a não salarial 2,9% nos primeiros três meses deste ano face a igual período de 2017.

Em Portugal, a parte salarial do indicador recuou 1,5% e a não salarial 1,4%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.