Portugal perdeu quase 2 mil milhões de euros em IVA não cobrado em 2015

Portugal foi um dos 28 Estados-membros da União Europeia que reduziu o denominado "desvio do IVA", diferença entre as receitas esperadas do imposto e o que foi cobrado

Portugal perdeu quase 2 mil milhões de euros em IVA não cobrado em 2015, menos 200 milhões do que no ano anterior, segundo um estudo divulgado esta quinta-feira pela Comissão Europeia.

Em 2015, os países da União Europeia perderam um total estimado em 151500 milhões de euros de receitas do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), de acordo com um estudo da Comissão Europeia divulgado esta quinta-feira.

Portugal foi um dos 28 Estados-membros que conseguiu reduzir o chamado "desvio do IVA" (a diferença entre as receitas do Imposto sobre o Valor Acrescentado esperadas e o montante efetivamente cobrado) entre 2014 e 2015, atingindo o valor mais baixo desde 2011.

Segundo o estudo, Portugal tinha um "desvio do IVA" de 2196 milhões de euros em 2011 (13% das receitas estimativas com o IVA), um valor que ultrapassou os 2500 milhões de euros nos dois anos seguintes (16% em ambos), mas que desceu para 2232 milhões de euros em 2014 (13%) e para 1.989 milhões de euros (11%) em 2015.

"O "desvio do IVA" diminuiu em cerca de três pontos percentuais em 2014 para o valor mais baixo desde 2011. Cerca de metade do crescimento da receita com IVA pode ser atribuída ao crescimento económico, com a outra metade a dever-se a um aumento do cumprimento das obrigações com o imposto", afirma o estudo.

A Comissão Europeia afirma que não foram introduzidas "alterações significativas" ao regime do IVA em 2015. Recorde-se que o sistema e-fatura entrou em vigor a 1 de janeiro de 2013 pelo anterior governo PSD/CDS como medida de combate à fraude e evasão fiscal.

O "desvio do IVA" mede a eficácia da cobrança do imposto em cada Estado-Membro, estimando a perda de receita por fraude e evasão fiscal, falências, insolvências financeiras, bem como erros de cálculo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.