Portugal informou que tenciona pagar "pelo menos" mais 500 milhões de euros

O economista português, Ricardo Mourinho Félix, refere que pelo menos 500 milhões de euros contribuirão para reduzir a dívida

O secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, informou hoje os ministros das Finanças da União Europeia, em Bruxelas, que Portugal pretende pagar antecipadamente ao FMI até final do ano "pelo menos" mais 500 milhões de euros.

"No fim da reunião, tive oportunidade de informar os meus colegas de que Portugal pretende ainda este ano fazer um pagamento ao FMI de pelo menos 500 milhões de euros", indicou, no final do Conselho Ecofin, no qual representou Portugal.

Para determinar o valor preciso de mais este reembolso antecipado do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional no quadro do programa de assistência financeira externa ao país (2011-2014), será necessário "ter em conta aquilo que é também agora o fecho das contas do ano e a evolução da situação orçamental", disse.

"Mas pelo menos 500 milhões de euros estou convicto que seguramente conseguiremos pagar ainda este ano, antecipadamente, ao FMI, o que contribui para reduzir a dívida, reduzir o custo dessa dívida e robustecer aquilo que é a evolução dos indicadores e desse indicador tão importante que tem sido o rácio da dívida pública", completou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.