Portugal é segundo no ranking mundial de subida de dividendos

Grandes cotadas portuguesas pagaram 1,2 mil milhões de euros em dividendos no 2.º trimestre, mais 71% do que há um ano. É a maior subida da Europa

Depois de vários tombos violentos durante os anos da crise, o pagamento de dividendos por parte de grandes empresas cotadas na Bolsa de Lisboa voltou a subir de forma considerável e bem acima do ritmo de expansão da economia real.

Um estudo da Janus Henderson Investors (JHI), ontem divulgado, mostra que Portugal é o país da região Europa onde os dividendos das maiores cotadas mais subiram. A Galp foi a responsável pelo sucedido. A gestora de ativos diz ainda que o valor pago em Portugal no segundo trimestre deste ano aumentou 71,9% comparativamente a igual período de 2016, superando os saltos também significativos registados na Áustria (+52,5%) ou na Noruega (+23,6%).

A nível internacional (a consultora analisa mais de 1200 grandes companhias cotadas em 37 países ou territórios), o volume desembolsado em dividendos cresceu 5,4%, para 447, mil milhões de dólares (cerca de 380,6 mil milhões de euros, basicamente o dobro do que Portugal produz num ano como economia).

Para esse total geral, Portugal contribuiu com 1,4 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros ao cambio atual), o que resultou numa subida de mais de 70% na remuneração dos acionistas das maiores empresas consideradas no ranking da Henderson.

É o aumento mais expressivo nesta altura do ano e desde 2012, pelo menos. No segundo trimestre do ano passado, o valor pago já tinha subido 33%. Nem sempre foi assim, claro. No segundo trimestre de 2012, em pleno programa de austeridade da troika, os dividendos tinham colapsado 59%. No segundo trimestre de 2015, afundaram mais 50%, indica o novo estudo.

O salto de 70% registado em Portugal tem essencialmente que ver com a política de dividendos da Galp, que neste ano decidiu, em assembleia geral, subir a remuneração referente a 2016 (50% dela paga neste segundo trimestre) para 50 cêntimos por ação, valor que compara com os 41,47 cêntimos relativos ao exercício de 2015. A petrolífera é a maior cotada e a maior empresa portuguesa.

A Janus Henderson explica que "o segundo trimestre é dominado pela região Europa excluindo o Reino Unido, que representa quase dois quintos do total global". "Isto acontece porque os dividendos europeus são altamente sazonais; dois terços deles são pagos entre abril e junho."

"Os maiores aumentos verificaram-se nos países mais pequenos. Áustria, Portugal, Bélgica e Finlândia registaram o maior crescimento subjacente [expurgando efeitos cambiais e os dividendos intercalares]. "Na Áustria, o Erste Bank duplicou o dividendo e a companhia petrolífera OMV subiu o seu dividendo em um quinto. A homóloga portuguesa Galp Energia seguiu esta política", refere a consultora JHI.

Em termos absolutos, o país que pagou mais dividendos foi os EUA (111,6 mil milhões de dólares). França aparece em segundo lugar, com 40,6 mil milhões. No mundo, o setor financeiro continua a ser o mais rico em dividendos (114,4 mil milhões de dólares ou 26% do total).

As empresas líderes mundiais nos dividendos pagos são, por esta ordem, Nestlé (Suíça), Zurich Insurance (Suíça), HSBC (Reino Unido), Sanofi (França), Allianz (Alemanha), National Grid (Reino Unido), Anheuser-Busch InBev (Bélgica), Daimler (Alemanha) e Commonwealth Bank of Australia. A Samsung Electronics (Coreia do Sul), em 11.º lugar, pagou mais aos acionistas do que a Apple (13.º no ranking mundial).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.