Portugal é segundo no ranking mundial de subida de dividendos

Grandes cotadas portuguesas pagaram 1,2 mil milhões de euros em dividendos no 2.º trimestre, mais 71% do que há um ano. É a maior subida da Europa

Depois de vários tombos violentos durante os anos da crise, o pagamento de dividendos por parte de grandes empresas cotadas na Bolsa de Lisboa voltou a subir de forma considerável e bem acima do ritmo de expansão da economia real.

Um estudo da Janus Henderson Investors (JHI), ontem divulgado, mostra que Portugal é o país da região Europa onde os dividendos das maiores cotadas mais subiram. A Galp foi a responsável pelo sucedido. A gestora de ativos diz ainda que o valor pago em Portugal no segundo trimestre deste ano aumentou 71,9% comparativamente a igual período de 2016, superando os saltos também significativos registados na Áustria (+52,5%) ou na Noruega (+23,6%).

A nível internacional (a consultora analisa mais de 1200 grandes companhias cotadas em 37 países ou territórios), o volume desembolsado em dividendos cresceu 5,4%, para 447, mil milhões de dólares (cerca de 380,6 mil milhões de euros, basicamente o dobro do que Portugal produz num ano como economia).

Para esse total geral, Portugal contribuiu com 1,4 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros ao cambio atual), o que resultou numa subida de mais de 70% na remuneração dos acionistas das maiores empresas consideradas no ranking da Henderson.

É o aumento mais expressivo nesta altura do ano e desde 2012, pelo menos. No segundo trimestre do ano passado, o valor pago já tinha subido 33%. Nem sempre foi assim, claro. No segundo trimestre de 2012, em pleno programa de austeridade da troika, os dividendos tinham colapsado 59%. No segundo trimestre de 2015, afundaram mais 50%, indica o novo estudo.

O salto de 70% registado em Portugal tem essencialmente que ver com a política de dividendos da Galp, que neste ano decidiu, em assembleia geral, subir a remuneração referente a 2016 (50% dela paga neste segundo trimestre) para 50 cêntimos por ação, valor que compara com os 41,47 cêntimos relativos ao exercício de 2015. A petrolífera é a maior cotada e a maior empresa portuguesa.

A Janus Henderson explica que "o segundo trimestre é dominado pela região Europa excluindo o Reino Unido, que representa quase dois quintos do total global". "Isto acontece porque os dividendos europeus são altamente sazonais; dois terços deles são pagos entre abril e junho."

"Os maiores aumentos verificaram-se nos países mais pequenos. Áustria, Portugal, Bélgica e Finlândia registaram o maior crescimento subjacente [expurgando efeitos cambiais e os dividendos intercalares]. "Na Áustria, o Erste Bank duplicou o dividendo e a companhia petrolífera OMV subiu o seu dividendo em um quinto. A homóloga portuguesa Galp Energia seguiu esta política", refere a consultora JHI.

Em termos absolutos, o país que pagou mais dividendos foi os EUA (111,6 mil milhões de dólares). França aparece em segundo lugar, com 40,6 mil milhões. No mundo, o setor financeiro continua a ser o mais rico em dividendos (114,4 mil milhões de dólares ou 26% do total).

As empresas líderes mundiais nos dividendos pagos são, por esta ordem, Nestlé (Suíça), Zurich Insurance (Suíça), HSBC (Reino Unido), Sanofi (França), Allianz (Alemanha), National Grid (Reino Unido), Anheuser-Busch InBev (Bélgica), Daimler (Alemanha) e Commonwealth Bank of Australia. A Samsung Electronics (Coreia do Sul), em 11.º lugar, pagou mais aos acionistas do que a Apple (13.º no ranking mundial).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)