Portugal com 4.ª maior quebra no desemprego e 4.º lugar em jovens sem trabalho

O Eurostat verificou que, na zona euro, o indicador atingiu, no mês passado, os 8,6%, em baixa face aos 9,6% homólogos, mas estável comparando com dezembro

A taxa de desemprego homóloga recuou, em janeiro, para os 8,6%, na zona euro e os 7,3% na União Europeia (UE), com Portugal a registar a quarta maior quebra dos 28 e a quarta taxa mais alta entre os jovens.

Segundo o Eurostat, na zona euro, a taxa de desemprego atingiu, em janeiro, os 8,6%, em baixa face aos 9,6% homólogos mas estável na comparação com dezembro de 2017.

Também na UE, o indicador recuou na comparação homóloga - era de 8,1% em janeiro de 2017 - mas manteve-se estável em cadeia.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, a taxa de desemprego diminuiu em todos os Estados-membros, tendo Portugal registado a quarta maior quebra homóloga (de 10,1% para 7,9%), depois de Chipre (de 12,6% para 9,8%), da Grécia (de 23,3% para 20,9%, dados de novembro) e da Croácia (de 12,2% para 9,8%).

As menores taxas de desemprego foram observadas, em janeiro, na República Checa (2,4%), em Malta (3,5%) e na Alemanha (3,6%) e as maiores na Grécia (20,9%, em novembro) e em Espanha (16,3%).

Entre as pessoas com menos de 25 anos, a taxa de desemprego recuou para os 17,7% em janeiro na zona euro e os 16,1% na UE, face aos 19,9% e 17,7% homólogos, respetivamente, com Portugal a apresentar a quarta maior.

As menores taxas de desemprego jovem observaram-se na República Checa (5,8%), na Estónia (6,5% em dezembro) e na Alemanha (6,6%) e as mais altas na Grécia (43,7% em novembro), em Espanha (36,0%), em Itália (31,5%) e em Portugal (22,2%).

A taxa de desemprego recuou em Portugal para os 7,9% em janeiro, face aos 10,1% homólogos e aos 7,9% de dezembro.

O desemprego jovem diminuiu na comparação homóloga dos 25,4% para os 22,2%, tendo-se mantido estável na variação em cadeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.