Portugal com 4.ª maior quebra no desemprego e 4.º lugar em jovens sem trabalho

O Eurostat verificou que, na zona euro, o indicador atingiu, no mês passado, os 8,6%, em baixa face aos 9,6% homólogos, mas estável comparando com dezembro

A taxa de desemprego homóloga recuou, em janeiro, para os 8,6%, na zona euro e os 7,3% na União Europeia (UE), com Portugal a registar a quarta maior quebra dos 28 e a quarta taxa mais alta entre os jovens.

Segundo o Eurostat, na zona euro, a taxa de desemprego atingiu, em janeiro, os 8,6%, em baixa face aos 9,6% homólogos mas estável na comparação com dezembro de 2017.

Também na UE, o indicador recuou na comparação homóloga - era de 8,1% em janeiro de 2017 - mas manteve-se estável em cadeia.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, a taxa de desemprego diminuiu em todos os Estados-membros, tendo Portugal registado a quarta maior quebra homóloga (de 10,1% para 7,9%), depois de Chipre (de 12,6% para 9,8%), da Grécia (de 23,3% para 20,9%, dados de novembro) e da Croácia (de 12,2% para 9,8%).

As menores taxas de desemprego foram observadas, em janeiro, na República Checa (2,4%), em Malta (3,5%) e na Alemanha (3,6%) e as maiores na Grécia (20,9%, em novembro) e em Espanha (16,3%).

Entre as pessoas com menos de 25 anos, a taxa de desemprego recuou para os 17,7% em janeiro na zona euro e os 16,1% na UE, face aos 19,9% e 17,7% homólogos, respetivamente, com Portugal a apresentar a quarta maior.

As menores taxas de desemprego jovem observaram-se na República Checa (5,8%), na Estónia (6,5% em dezembro) e na Alemanha (6,6%) e as mais altas na Grécia (43,7% em novembro), em Espanha (36,0%), em Itália (31,5%) e em Portugal (22,2%).

A taxa de desemprego recuou em Portugal para os 7,9% em janeiro, face aos 10,1% homólogos e aos 7,9% de dezembro.

O desemprego jovem diminuiu na comparação homóloga dos 25,4% para os 22,2%, tendo-se mantido estável na variação em cadeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.