Porto cobra a partir de hoje taxa de dois euros para "mitigar pegada turística"

O montante é devido "por hóspede com idade superior a 13 anos", "por noite"

A taxa turística do Porto, de dois euros por dormida, começa hoje a aplicar-se hóspedes com mais de 13 anos, num máximo de sete noites seguidas, para "mitigar o impacto da pegada turística" na cidade, definiu a autarquia.

O regulamento da taxa municipal, que também se aplica à plataforma 'online' de alojamento Airbnb, define que o montante é devido "por hóspede com idade superior a 13 anos", "por noite" e até "um máximo de sete noites seguidas por pessoa ou estada, independentemente de reserva (presencial, analógica ou via digital)".

De acordo com as normas definidas pela Câmara do Porto, ficam isentos do pagamento os hóspedes cuja estada "seja motivada por tratamentos médicos, estendendo-se esta não sujeição a um acompanhante", bem como a hóspedes com incapacidade igual ou superior a 60%.

Segundo a proposta aprovada pela Câmara, a taxa não se aplica "às reservas comprovadamente efetuadas antes" de 01 de março e é cobrada aos hóspedes no final da estada.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira (independente), assegurou em 20 de dezembro que a taxa, cuja receita anual prevista é de seis milhões de euros, servirá para "mitigar o impacto da pegada turística" na cidade e não para investir no setor.

"Temos uma pegada turística que se verifica na habitação, na limpeza e na mobilidade, pelo que utilizaremos a taxa como receita no sentido de mitigar o impacto que ela tem nos cidadãos", observou.

O autarca indicou tratar-se "do mesmo modelo" que se pratica em Lisboa, com "a diferença" de que o Porto disse "claramente" que a taxa não se destina a "investimentos na área do turismo".

Quanto ao montante definido, Moreira afirmou que "resultou de um estudo externo feito no sentido de avaliar o custo da pegada turística", que "chegou a um número próximo de dois euros".

Quanto ao facto de ser cobrada a maiores de 13 anos, o autarca explicou que "os hotéis, por norma, passam a cobrar diária aos adolescentes" a partir daquela idade.

A Câmara promoveu "uma análise dos encargos" com os turistas da cidade, tendo concluído que, em 2016, teve "custos superiores a 3,5 milhões de euros" com a atividade decorrente de uma "população turística" que, "de acordo com dados do INE [Instituto Nacional de Estatística]", correspondeu "a 3,34% da população global da cidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.