Poder de compra dos portugueses tem maior subida desde o ano 2000

Portugal é o 47.º país em termos de riqueza per capita em 2017, segundo o FMI. A retoma e o fim da sobretaxa trouxe maior poder de compra aos portugueses. O Qatar é o mais rico, mas Macau vai ultrapassá-lo já em 2020

É o maior aumento desde o início do século - o PIB per capita dos portugueses subiu 2,9% no ano passado, totalizando, em média, 27 700 euros, de acordo com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) analisados pelo DN/Dinheiro Vivo. É preciso recuar ao ano 2000 para encontrar um crescimento maior (+3,1%). A subida do poder de compra explica-se pela retoma da economia, mas também pela reposição de rendimentos, sobretudo pelo fim da sobretaxa de IRS. Apesar disso, Portugal manteve-se em 47.º lugar no ranking dos países mais ricos.

A riqueza por habitante progrediu, de facto, mais rápido do que a própria economia, que conheceu, no ano passado, uma expansão de apenas 2,7% em termos reais. O fenómeno terá duas explicações. A retoma económica está em curso e ganhou força, à boleia do dinamismo das exportações e do turismo, do mercado imobiliário e da construção, mas também com as devoluções de rendimentos (aumentos das pensões e do salário mínimo e fim da sobretaxa) e a maior confiança dos investidores.

E, como a população residente também está em declínio (menos 0,2% em 2017), significa que a riqueza imputada a cada cidadão aumenta por esta via. O bolo cresceu e há menos gente com a qual o repartir.

As contas são um pouco mais baixas a preços correntes - no ano passado, com os valores corrigidos para refletir o poder de compra, cada português ganhou, em média, 30,4 mil dólares, cerca de 24,6 mil euros ao câmbio atual.

Em 2018, mesmo com a economia a crescer menos (2,4%, prevê o FMI), a riqueza imputada a cada habitante do território nacional voltará a crescer cerca de 2,8%. Ficam para trás os anos da crise, em que o PIB per capita encolheu - 1,7% em 2011 e 3,6% no ano seguinte.

Apesar disso, de acordo com o ranking publicado pelo FMI, Portugal aparece em 47.º lugar nesta lista do poder de compra, indicam cálculos do DN/Dinheiro Vivo.

O Qatar, um grande produtor de petróleo e gás, e que atualmente experimenta um boom imobiliário por causa da preparação para o Campeonato Mundial de Futebol em 2022, é o primeiro país deste top mundial do poder de compra, com um PIB per capita de 100,7 mil euros, ou seja, quatro vezes mais do que o nível português.

Logo a seguir, em segundo lugar, surge Macau, uma zona administrativa da China, que faz fortunas com o negócio dos casinos e com o turismo. De acordo com o FMI, os habitantes da ex-colónia portuguesa passarão a ser os mais ricos do mundo já em 2020. O terceiro mais rico do mundo é europeu e chama-se Luxemburgo. Cada cidadão do pequeno grão-ducado ganha anualmente (2017) o equivalente a 86 mil euros, ou seja, 3,5 vezes mais do que em Portugal (ver infografia).

Destaque ainda para Espanha, que ultrapassou Itália nesta medida da riqueza individual. O habitante médio espanhol é agora o 34.º mais rico do mundo (31 mil euros de rendimento anual); o italiano ocupa o 35.º posto (30,8 mil euros). O mesmo que dizer que os portugueses ganham 79% do rendimento espanhol.

No fundo da tabela, o país mais pobre do mundo será a República Centro-Africana, que no final de março até teve a visita oficial do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Flagelado pela guerra, cada pessoa neste país africano vive, em média, com uma riqueza de 547 euros por ano.

O segundo mais pobre do mundo é o Burundi, também em África, com uma riqueza média por pessoa que não chega a 595 euros anuais. Moçambique, um parceiro económico muito próximo de Portugal, é o sexto mais pobre na referida lista de 191 economias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.