Plano de Domingues para a Caixa considerado "irrealista" 

Futuro presidente da CGD pede 5,1 mil milhões para reforçar banco público, mas valor é demasiado elevado, dizem técnicos

Um rotundo não. Foi assim que o Banco Central Europeu recebeu o primeiro esboço desenhado por António Domingues para a capitalização da Caixa Geral de Depósitos. O gestor pediu 5,1 mil milhões e apresentou os futuros administradores do banco, mas nada foi visto com bons olhos.

Os técnicos da joint supervisor team - um grupo formado por técnicos do BCE e do Banco de Portugal - consideraram o plano pouco credível e irrealista. E levantaram dúvidas sobre várias matérias. Desde logo em relação ao valor pedido por Domingues para capitalizar o banco, sublinhando que 5,1 mil milhões é um valor demasiado elevado e acima das reais necessidades. Também levantaram dúvidas em relação às provisões de 2,8 mil milhões, justificando que o valor não está de acordo com a realidade. Para chegar a este número, a equipa comparou a CGD com o resto do mercado e concluiu que, afinal, o banco público está numa situação razoável.

No documento, Domingues faz referência à saída de 2600 funcionários, para as quais reserva 500 milhões de euros, e também este valor é visto como "irrealista". Definição semelhante foi atribuída à estimativa de custos para limpar os problemas com fundos imobiliários - 600 milhões de euros, que o BCE acredita estarem longe da realidade portuguesa. O banco central diz mesmo que o cenário apresentado adequa-se mais ao mercado espanhol do que ao nacional.

As críticas não se ficam apenas pelos números que envolvem a capitalização. Ao BCE, Domingues relata os nomes dos 19 administradores que o banco público irá receber. E o BCE responde que o número é demasiado elevado, levantando inclusivamente dúvidas sobre cinco elementos que diz estarem pouco preparados para a função.

"O plano industrial para a CGD tem sido discutido regulamente tanto com o BCE como com a Direção-Geral da Concorrência europeia. Fruto das várias interações, o plano tem vindo a ser aperfeiçoado, incorporando os contributos dos reguladores e ajustando as críticas que vão sendo feitas", esclareceu fonte oficial das Finanças ao semanário Expresso, assegurando que "neste momento as duas instituições reconhecem como credível o plano apresentado".

Questionado pelo Expresso, Domingues diz desconhecer esta avaliação negativa do BCE, por não ser ainda oficialmente o presidente da Caixa, não tinha obrigação de ser notificado.

Certo é que o plano está a ser refeito e já motivou inclusive a ida de Elisa Ferreira, nova administradora do Banco de Portugal, a Frankfurt, na semana passada. Também Domingues está a ser recebido ao longo dos últimos meses pelas autoridades. Em todo o caso, o Expresso sublinha que a veemência com que este primeiro relatório chumbou o plano para o banco público levou ao início de um processo duro de negociação entre o BCE e a DC Comp. Estas mesmas negociações, adianta, atrasaram a tomada de posse da nova administração da Caixa.

A assessorar o futuro presidente da Caixa Geral de Depósitos está a consultora McKinsey, que terá tido também a seu cargo este primeiro documento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.