Pirata informático constrói carro autónomo em apenas um mês

George Hotlz precisou apenas de um mês para pôr um Acura ILX a andar sozinho em plena autoestrada

Há nove anos, foi o primeiro a piratear um iPhone da Apple. Depois disso, foi o primeiro a piratear uma Playstation 3. Agora, após uns tempos a ponderar qual seria o seu novo projeto, apresentou à agência noticiosa financeira Bloomberg um carro autónomo construído em apenas um mês na garagem lá de casa.

George Hotz, 26 anos, equipou um Honda Acura ILX com um sistema de radar laser no tejadilho, uma câmara junto ao espelho retrovisor, um joystick nas mudanças, um ecrã de 21,5 polegadas na consola central com uma versão do sistema operacional Linux. Claro que há ainda um emaranhado de cabos por todo o carro, mas, como é possível ver no vídeo feito pela Bloomberg, anda sozinho na estrada.

Para isso, explica George Hotz, basta ensinar o carro a conduzir. Como? Simples: basta ensiná-lo, "observando" aquilo que os outros condutores fazem. "Neste momento estamos na fase de observação. Não dissemos a este carro nada sobre condução, mostrámos-lhe durante dez horas imagens de como os humanos conduzem e dissemos-lhe: 'É assim que os humanos conduzem, faz como eles'", explicou, garantindo que, no lugar de regras rígidas, está a intuição. "A ideia é conduzir naturalmente como as pessoas, não com base numa ideia de segurança dos engenheiros".

Ainda com muito para fazer para pôr esta tecnologia a funcionar, Hotz acredita que a sua tecnologia poderá ser vendida por cerca de mil dólares aos construtores automóveis ou ao cliente individual, um custo muito menor do que o da tecnologia que a Google ou a Tesla estão a desenvolver.

"Vou ser o próximo CEO milionário", ambiciona George Hotz.

A Tesla reagiu entretanto à história, através de um Tweet de Elon Musk, CEO da empresa.

"É extremamente improvável que uma única pessoa ou até uma pequena empresa tenham capacidade para produzir um sistema de condução autónoma para ser implementado em veículos de produção. Pode funcionar como uma demo limitada num troço de estrada conhecido - a Tesla tinha um sistema desses, há dois anos - mas depois requer enormes recursos para conhecer milhões de milhas de estradas muito diferentes", diz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.