Pilotos de Ryanair na Alemanha juntam-se à greve de sexta-feira

Os pilotos da Ryanair na Alemanha vão apoiar a greve de 24 horas anunciada para sexta-feira pelos pilotos da Irlanda, Suécia e Bélgica, disse hoje o sindicato alemão Vereinigung Cockpit.

Os pilotos da Ryanair na Alemanha vão apoiar a greve de 24 horas anunciada para sexta-feira pelos pilotos da Irlanda, Suécia e Bélgica, disse hoje o sindicato alemão Vereinigung Cockpit.

De acordo com o sindicato, trata-se de uma greve de 24 horas que abrange todos os pilotos contratados pela Ryanair na Alemanha, sendo que os pilotos da companhia aérea decidiram apoiar a greve, para pressionarem a administração a aumentar os salários e a melhorar as condições de trabalho.

O sindicato não esclareceu quais as ligações aéreas que serão afetadas pela greve.

A greve terá início na sexta-feira às 04:01 (hora de Lisboa) e terminará no sábado às 03:59.

Desta forma, o sindicato alemão une-se aos pilotos da Ryanair na Irlanda, Suécia e Bélgica, que também vão paralisar na sexta-feira.

Esta é a maior greve de pilotos na história da companhia aérea de baixo custo irlandesa.

A Ryanair já cancelou 146 dos 2.400 voos previstos para sexta-feira na Europa.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.