Economia portuguesa cresce 2,8% no 2.º trimestre

Comparativamente com o 1.º trimestre de 2017, o PIB aumentou 0,2% em termos reais

De acordo com a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais relativas ao período entre abril e junho, o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 2,8% homólogos em volume, uma variação idêntica à registada no trimestre anterior.

A economia portuguesa mantém assim, pelo segundo trimestre consecutivo, o desempenho trimestral homólogo mais positivo dos últimos 10 anos, que iguala o crescimento verificado no último trimestre de 2007, período em que a economia portuguesa cresceu também 2,8%.

Segundo o INE, "a procura externa líquida registou um contributo ligeiramente negativo para a variação homóloga do PIB, refletindo uma mais acentuada desaceleração em volume das exportações de bens e serviços do que das importações de bens e serviços".

Já "a procura interna manteve um contributo positivo elevado, superior ao do trimestre precedente, em resultado da aceleração do investimento".

Comparando com o primeiro trimestre de 2017, o PIB aumentou 0,2% em termos reais entre abril e junho, depois de no trimestre anterior ter registado um crescimento em cadeia de 1,0%.

De acordo com o INE, se "o contributo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB foi negativo, em contrapartida, o contributo da procura interna aumentou devido à evolução do investimento, em que o contributo, quer da variação de existências, quer da FBCF [Formação Bruta de Capital Fixo] foram positivos, o desta última inferior ao observado no trimestre anterior".

Os dados hoje divulgados pelo INE ficam abaixo das estimativas dos analistas contactados anteriormente pela agência Lusa, uma vez que estes antecipavam, em média, que no segundo trimestre a economia portuguesa tivesse crescido 3% em termos homólogos e 0,4% em cadeia.

O Governo espera um crescimento do PIB de 1,8% este ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.