Governo rejeita pedido da Galp para assumir pesquisa de petróleo em Peniche

Secretário de Estado da Energia disse que a situação significaria o "desmantelamento do consórcio"

O Governo rejeitou a modificação da composição do consórcio que detinha a concessão para a pesquisa de petróleo no bloco Camarão, na bacia de Peniche, em que a Galp ficaria com a posição da Repsol, Kosmos e Partex.

Depois de o consórcio liderado pela Repsol, em que a Galp Energia detinha 30%, ter desistido de avançar com três dos quatro blocos da concessão (Amêijoa, Mexilhão e Ostra), em abril de 2017, as três empresas (Repsol, Kosmos e Partex) pediram a renúncia à concessão da área Camarão, o que foi acompanhado por um requerimento da Galp para assumir a posição dos membros renunciantes.

No despacho a que a Lusa teve acesso, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, considera que se trataria do "desmantelamento do consórcio", referindo que a mudança "quase parece a atribuição de um direito exclusivo sem qualquer procedimento, em violação daquilo que deve ser a melhor interpretação das regras da concorrência e transparência".

"Assim, caso a Galp tenha interesse em obter, isoladamente, a exploração desta área, poderá apresentar proposta num eventual concurso, aí se ajustando as condições contratuais que hoje seriam adequadas, sem necessidade de transfigurar subjetivamente e, também, de um ponto de vista objetivo um contrato administrativo em vigor", lê-se no documento.

O Governo entende que não deve ser autorizada a cessão da posição contratual peticionada pela Galp e demais membros do consórcio, que têm o direito de explorar a área designada por Camarão, desde 2007

No sábado, o Expresso noticiou que o Governo tinha indeferido o pedido de renovação do contrato na bacia de Peniche.

Há duas semanas, o Governo anunciou que não vai atribuir, até 2019, novas licenças para prospeção de petróleo na costa portuguesa, mas mantém os "compromissos contratuais" em curso.

A decisão foi comunicada no dia em que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) dispensou de estudo de impacte ambiental a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, na costa alentejana, a cargo do consórcio liderado pela petrolífera italiana Eni e que integra a Galp Energia, que deverá avançar com o furo no final de setembro ou no início de outubro, de acordo com o plano de trabalhos.

Além deste contrato, encontra-se ativa a concessão da pesquisa onshore (em terra) na região de Alcobaça à Australis.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.