Petróleo do Kuwait chega hoje a Portugal

Com investimento de 50 milhões, a Kuwait Petroleum quer assegurar uma rede mínima de 50 estações de serviço até 2020. A Vapo Atlantic é o representante exclusivo e promete preços mais baixos

A Kuwait Petroleum International, uma das dez maiores petrolíferas do mundo, vai investir 50 milhões de euros numa rede de postos de combustível em Portugal. O objetivo da empresa, que opera sob a marca Q8, é chegar a 2020 com 50 estações de serviço. A primeira é hoje inaugurada em Azurém, Guimarães. E promete preços mais baixos do que a concorrência.

"Portugal é um mercado de tal forma fechado e dominado pelas grandes companhias que, se queríamos crescer, teríamos de importar diretamente a matéria-prima. E assim surgiu a nossa associação à Kuwait Petroleum", explica Pedro Lopes, diretor-geral da Vapo Atlantic, o distribuidor exclusivo da Q8.

"Somos já o segundo maior cliente da Q8 em Espanha, importamos qualquer coisa como 40 mil milhões de litros ao ano. Quando a Kuwait Petroleum entendeu expandir o negócio na UE, só tivemos de os convencer a olhar para o mercado ibérico como um todo, em vez de se concentrarem apenas em Espanha", explica Daniel Carvalho, o outro sócio-gerente da empresa.

Os empresários não abrem o jogo sobre o ritmo de abertura de novos postos, sublinhando apenas que estão "disponíveis para negociar com os operadores, independentemente da dimensão ou localização geográfica". O único requisito é que o projeto apresente "viabilidade financeira". Uma coisa é certa, a Vapo Atlantic espera duplicar o volume de negócios já em 2016, o primeiro ano completo de atividade de representação da Q8, com um valor próximo dos 90 milhões de euros.

A grande maioria dos pontos de venda Q8 surgirão por via de aquisição, arrendamento ou exploração de postos já existentes. Mas também está prevista a construção de novas áreas.

E o que trará a Q8 de novo ao mercado? Melhores preços para os revendedores e para o consumidor, prometem Pedro Lopes e Daniel Carvalho. "A nossa intenção assenta numa melhor distribuição das margens pela cadeia de valor, ao contrário do que se verifica atualmente com os grandes operadores", sublinham. E como pretendem fazê-lo? "Há espaço em Portugal para novas formas de operar e foi isso que quisemos trazer com esta parceria com a Q8", diz Pedro Lopes. A empresa irá trabalhar com base no Platts, o índice dos combustíveis no mercado internacional, e apresentar diariamente os melhores preços. "Hoje, o preço no mercado até pode cair um dólar por barril que os consumidores em Portugal vão sempre pagar o mesmo até à segunda-feira seguinte. Nós vamos mexer no preço todos os dias se se justificar. É essa elasticidade que nos torna competitivos. Garantimos aos revendedores que, se estão a comprar com 20 cêntimos de desconto ao fornecedor habitual, nós iremos oferecer pelo menos 21 cêntimos."

Na prática, a Vapo Atlantic passará a oferecer preços low-cost associados à imagem de credibilidade de uma das dez maiores petrolíferas do mundo. "Muitas vezes as pessoas veem o preço baixo e desconfiam por ser uma marca branca. Há quem não abasteça nos hipermercados porque não sabe a proveniência dos combustíveis. Aqui, é a imagem de uma companhia associada aos preços mais baixos do mercado", explica Daniel Carvalho.

"Não queremos uma guerra de mercado. Mas há muitos postos em Portugal com imagem de companhias, mas cujos contratos já acabaram. Não têm dinheiro para investir em coisa nenhuma. Nós podemos ser a solução. Porque há dinheiro. São 50 milhões para investir."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.