Peritos internacionais "nunca tinham visto salários como os nossos"

Mónica Bettencourt Dias, diretora do Instituto Gulbenkian de Ciência, revela o resultado da avaliação à instituição que lidera: os cientistas ganham pouco, mas estão ao nível dos melhores da Europa

Duas horas antes de ser entrevistada por Luís Osório no âmbito do ciclo de conversas 30 Portugueses, Um País, evento promovido pelo grupo hoteleiro PortoBay, Mónica Bettencourt Dias tinha estado a receber o feedback de cinco peritos internacionais sobre as infraestruturas e recursos disponíveis no Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), que lidera desde 2018. Entre as conclusões retiradas pela equipa que a própria tinha chamado, destacou a qualidade do pessoal técnico, a maioria português.

A avaliação das pessoas superou as expectativas, ao ponto de terem sido cobiçadas. Mas os avaliadores ficaram ainda mais impressionados quando souberam quanto é que essas pessoas ganhavam. "Nunca tinham visto salários [tão baixos] como os nossos." Como fazem tanto com tão pouco, perguntavam-se: quanta motivação e capacidade de envolvimento nos projetos precisam de ter para fazerem o que fazem ganhando tão pouco? "Nem acreditavam naquilo que viam", exclamou a bióloga formada em Bioquímica pela Universidade de Lisboa e pós-doutorada em Cambridge, Inglaterra.

"Temos sido avaliados internacionalmente e fomos comparados a institutos muito bons na Europa", contou. Isto apesar de funcionarem com um quarto dos recursos que os outros têm, com a Fundação Calouste Gulbenkian a pagar metade do orçamento. Contudo, e apesar disso, muitos cientistas estrangeiros de alto gabarito e potencial escolhem o nosso país para trabalhar em ciência.

"Em 220 pessoas que queriam vir para Portugal, 70% eram estrangeiros", vindos de grandes centros de investigação, como Harvard, nos Estados Unidos, e Oxford, na Inglaterra. "Escolhem Portugal quando podem ir para outro sítio." Captar talento para Portugal é uma das preocupações da responsável, a primeira mulher a assumir o cargo de diretora do IGC, função que desempenhará nos próximos cinco anos.

Desde Oeiras, gere uma equipa originária de 41 países, em que um terço são estrangeiros. Para bem acolher pessoas de várias geografias e credos, o IGC oferece uma sala para rezar. "Há muitos cientistas que acreditam em Deus", sublinha. Jerónimo de Sousa, líder do PCP, será o próximo convidado deste ciclo de entrevistas públicas.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.