Pedro Marques: "Temos limitações muito grandes" para compra de comboios

Ministro das Infraestruturas anuncia arranque de trabalhos técnicos para eletrificação da Linha do Alentejo e de Linha do Oeste.

O Orçamento do Estado para 2018 prevê que a CP possa comprar comboios novos pela primeira vez em cerca de duas décadas. Só que ainda não houve a abertura do concurso público internacional, que está prevista para este ano. E o próprio ministro com a tutela da empresa, Pedro Marques, admitiu esta quarta-feira, no Parlamento, as dificuldades neste processo. O governante adiantou também que serão iniciados os trabalhos técnicos para avaliar a eletrificação da Linha do Alentejo e de parte da Linha do Oeste e contratados 50 técnicos para a EMEF, a empresa de manutenção de comboios da CP.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.