PE garante que vai bater-se contra "cortes radicais" previstos para coesão

Proposta do executivo comunitário determina que Portugal irá receber 21.171 milhões de euros a preços constantes de 2018

O Parlamento Europeu condenou esta quarta-feira os "cortes radicais" na política de coesão contemplados na proposta da Comissão Europeia para o próximo quadro financeiro plurianual (2021-2027), e garantiu que vai bater-se por um orçamento mais ambicioso.

Numa resolução aprovada esta quarta-feira no hemiciclo de Estrasburgo, com 409 votos a favor, 213 contra e 61 abstenções, os eurodeputados consideram que a proposta da Comissão Europeia sobre o orçamento da União Europeia pós-2020 "enfraquece as principais políticas de solidariedade da UE".

Apontando "discrepâncias" nos dados comunicados pela Comissão, que em 02 de maio anunciou que os cortes na Política Agrícola Comum (PAC) e na Política de Coesão seriam, em ambos os casos, em torno dos 5% (admitindo pouco depois que a nível da coesão poderiam atingir os 7%), o Parlamento Europeu (PE) aponta hoje que os cortes reais serão na ordem dos 15% e 10%, respetivamente.

O Parlamento condena, em particular, os "cortes radicais" propostos para o Fundo de Coesão (45%) e para o Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (mais de 25%), "que terão um impacto negativo na natureza e nos objetivos destas políticas".

Reiterando a intenção de "negociar com os Estados-membros um quadro financeiro plurianual mais ambicioso, no interesse dos cidadãos", os eurodeputados propõem a manutenção do financiamento da PAC e da política de coesão para a UE27 "pelo menos ao nível do orçamento de 2014-2020 em termos reais, respeitando a arquitetura global destas políticas".

O orçamento de longo prazo da UE terá de ser acordado por unanimidade pelos Estados-membros e aprovado pelo PE para poder entrar em vigor.

Na terça-feira, a Comissão detalhou a sua proposta orçamental no domínio da política de coesão, com a publicação das dotações nacionais previstas, que revelou que Bruxelas prevê para Portugal cerca de 21,2 mil milhões de euros ao abrigo da política de coesão, o que representa um corte de 7% face ao quadro atual.

De acordo com a proposta do executivo comunitário, Portugal receberá 21.171 milhões de euros a preços constantes de 2018 (23.861 milhões a preços correntes, tendo em conta a inflação), o que significa uma redução em torno de 7% relativamente aos fundos destinados ao país ao abrigo da política de coesão para o período 2014-2020 (22,8 mil milhões de euros).

Portugal tem, ainda assim, a quinta dotação mais elevada entre os 27 Estados-membros (já sem o Reino Unido) ao nível da política da coesão, apenas atrás da Polónia (64,4 mil milhões de euros), Itália (38,5), Espanha (34) e Roménia (27,2 mil milhões), sendo, todavia, que países como Espanha e Itália veem as suas dotações aumentar.

Numa primeira reação a estes valores, o Governo português, pela voz do ministro dos Negócios Estrangeiros, comentou na terça-feira que o orçamento proposto pela Comissão Europeia para a política de coesão para Portugal "é um progresso" face ao valor inicial e reiterou o objetivo de "continuar a contribuir construtivamente" nas negociações.

"Esta proposta representa um progresso. O trabalho construtivo com a Comissão Europeia permitiu chegar a um progresso face a um ponto de partida que considerámos um mau começo para esta negociação", disse Augusto Santos Silva.

Santos Silva indicou que a proposta da Comissão significa um aumento nominal dos fundos disponíveis na política de coesão para o próximo período, apesar de, em valores reais, representar um corte de 7% face aos valores atuais.

"Portugal disporá de mais verbas para a política de coesão do que aquelas que recebeu no período de 2014-2020. A preços constantes de 2018, estas verbas significam menos; em termos correntes, a preços nominais, estas verbas significam mais", explicou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.