Paulo Azevedo diz "ver muitos incovenientes" na compra da Media Capital pela Altice

"Não estou a ver a vantagem [do negócio], disse hoje o líder da Sonae em reação à entrevista do presidente da Altice Portugal ao Diário de Notícias

O co-CEO do grupo Sonae Paulo Azevedo afirmou hoje, na Maia, Porto, "ver muitos inconvenientes" na possibilidade de compra da Media Capital pelos franceses da Altice.

Falando durante a apresentação das contas de 2017 do grupo Sonae e solicitado a comentar a afirmação do presidente da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, que numa entrevista publicada hoje pelo Diário de Notícias considera que o negócio é "fundamental para o país", Paulo Azevedo disse, de forma irónica: "Não sei a que país é que ele se está a referir".

"Não estou a ver a vantagem [do negócio] e estou a ver muitos inconvenientes", acrescentou.

Gracejando que ainda ia ser alvo de "outra queixa-crime", o líder da Sonae revelou que não chegou a ser notificado no âmbito da queixa-crime que a Altice anunciou que iria apresentar contra si na sequência de afirmações que fez em outubro.

Na altura, Paulo Azevedo criticou a "não decisão" da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) sobre a compra da Media Capital pela Altice e declarou que o negócio "criará condições" para a "descoberta de uma operação 'Marquês' dez vezes maior".

Em 15 de fevereiro, a Autoridade da Concorrência (AdC) decidiu abrir uma investigação aprofundada à compra do grupo Media Capital pela Altice por existirem "fortes indícios" de que a operação poderá resultar em "entraves significativos" à concorrência.

A Altice anunciou em julho passado que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital

Além da TVI, o grupo Media Capital engloba, entre outros, a produtora de conteúdos televisivos Plural, as rádios Comercial, M80, Cidade FM, Smooth FM e Rádio Vodafone, o portal IOL e a plataforma de conteúdos sobre Internet TVI player.

A Altice, que comprou em junho de 2015 a PT Portugal por cerca de sete mil milhões de euros, anunciou em julho passado que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios, por 440 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.