Ryanair confirma que vai cobrar a segunda bagagem de mão

A companhia irlandesa vai cobrar oito euros por uma bagagem até 10 kg com o objetivo de reduzir atrasos nos voos

A Ryanair informou que, a partir de 01 de novembro, apenas os passageiros com embarque prioritário podem transportar gratuitamente duas bagagens de mão, enquanto os restantes pagarão oito euros para levar duas malas.

Segundo um comunicado divulgado pela companhia irlandesa de baixo custo, os viajantes sem embarque prioritário podem transportar gratuitamente uma pequena mala de mão e pagarão oito euros por uma bagagem até 10 quilogramas.

A transportadora diz que esta medida, que "não afetará 60% de todos os clientes", visa contrariar os atrasos nos voos por se reduzir o volume de segundas malas levadas para as portas de embarque. Até agora, a segunda bagagem era entregue gratuitamente no momento do embarque.

A bagagem até 10 quilos terá de ser entregue nas zonas de check-in, segundo a informação oficial disponibilizada no site da companhia. Para os volumes até 20 quilos o preço é de 25 euros.

As novas regras serão aplicadas nos embarques a partir de novembro e em todas as marcações de viagens feitas a partir de 01 de setembro.

"60% dos clientes da Ryanair não serão afetados por esta alteração de política de bagagem, porque 30% dos clientes já compram embarque prioritário e 30% já viajam apenas com uma mala pequena gratuita", referiu a empresa.

Kenny Jacobs, responsável de marketing da empresa, garantiu que estas regras vão "acelerar o embarque e reduzir atrasos nos voos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.