Países com preços de energia superiores a Portugal de fora do "ranking" do Eurostat - ERSE

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) defendeu hoje que os dados do Eurostat, que colocam Portugal como um dos países com a eletricidade e gás mais caros em 2017, deixam de fora países com preços superiores aos nacionais.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) defendeu hoje que os dados do Eurostat, que colocam Portugal como um dos países com a eletricidade e gás mais caros em 2017, deixam de fora países com preços superiores aos nacionais.

“Na análise agora efetuada pelo Eurostat nem todos os países são apresentados (como é o caso da Alemanha, Itália ou Espanha, na eletricidade e gás natural, e da Finlândia, no caso do gás natural), designadamente países com preços médios mais elevados que Portugal”, disse, em comunicado, o regulador do setor em Portugal.

Em causa, estão os dados divulgados na terça-feira pelo Eurostat que colocam Portugal no terceiro lugar entre os países da União Europeia com a eletricidade e o gás natural mais caros em 2017.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, Portugal registou o terceiro maior preço da eletricidade por kilowatt-hora do bloco comunitário, sendo superado apenas por Bélgica e Dinamarca.

O primeiro estudo comparativo das faturas da eletricidade e do gás a nível comunitário, que apresenta apenas o ‘ranking’ dos países, revelou ainda que, em 2017, os preços do gás em Portugal foram os terceiros mais elevados da UE, a seguir aos praticados na Suécia e na Irlanda.

Hoje, em comunicado, o regulador energético referiu ainda que a comparação não tem em conta o efeito da estrutura de consumos, “prejudicando países com climas mais amenos e consequentemente com consumos per capita menores”, como é o caso de Portugal.

“O Eurostat publica informação sobre a decomposição dos preços de eletricidade de acordo com as seguintes componentes: energia e redes e taxas e impostos. Esta informação tem sido alvo de diversas criticas, nomeadamente pelos reguladores nacionais, uma vez que os países não têm seguido critério uniformes no reporte dessa informação”, indicou.

Segundo a ERSE, são disso exemplo os subsídios às renováveis e à cogeração, que alguns países reportam como componente de energia (caso de Espanha) e outros como componente de taxas e impostos (caso de Portugal).

De acordo com o estudo do Eurostat, entre os 24 Estados-membros cujos dados foram analisados — Alemanha, Espanha, Itália e Chipre ficaram de fora –, o preço da eletricidade por kilowatt-hora variou entre os 10 cêntimos (Bulgária) e os 28 (Bélgica), tendo a maioria dos países registado preços entre os 10 e os 20 cêntimos.

Já o preço do kilowatt-hora do gás natural em 2017 variou entre os 3 cêntimos (Roménia) e os 12 (Suécia), com a maioria dos 21 Estados-membros a participar no estudo a apresentar valores inferiores aos 8 cêntimos por hora.

Alemanha, Espanha, Itália, Chipre, Malta, Finlândia e Grécia não apresentaram dados relativos aos preços do gás natural.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.