Os (novos) 50 melhores restaurantes do mundo. Portugueses de fora

O primeiro lugar foi para Osteria Francescana, em Modena, do chef italiano Massimo Bottura. Os portugueses estão fora, com José Avillez em 75.º lugar

É considerado o Óscar da gastronomia. The World's 50 Best anunciou nesta terça-feira a lista de 2018 com os 50 melhores restaurantes do mundo. O primeiro lugar foi para Osteria Francescana, em Modena, do chef italiano Massimo Bottura, que já recebera o prémio, que acumula com três estrelas Michelin.

Os vencedores foram anunciados numa cerimónia que decorreu no Palácio Euskalduna Bilbao. Em segunda lugar está El Celler de Can Roca, do chef espanhol Joan Roca, em Girona, e, em terceiro, Mirazur, de Mauro Colagreco, em Menton, França. O Eleven Madison Park, em Nova Iorque, do chef Daniel Humm, que tem ocupado o pódio, ficou com o quarto lugar neste ano.

Há quatro mulheres nesta lista que tem sido criticada ao longo dos anos por ignorar as mulheres, mais uma do que no anterior. "Ainda há um longo caminho a percorrer até vermos as mulheres terem o reconhecimento devido nesta indústria dominada pelos homens", escreveu Christina Liao na Forbes . O Hiša Franko, na Eslovénia, de Ana Roš, que ocupa o 48.º lugar, é o primeiro restaurante dirigido apenas por mulher, que não tenha a seu lado um homem no mesmo papel.

Na lista mais alargada de 100 restaurantes surge o Belcanto, em Lisboa, do chef português José Avillez, em 75.º lugar.

Saiba quais são os 50 melhores restaurantes do mundo:

1. Osteria Francescana em Modena, Itália

2. El Cellar de Can Rosa em Girona, Espanha

3. Mirazur, em Menton, França

4. Eleven Madison Park, em Nova Iorque, Estados Unidos

5. Gaggan em Bangkok, Tailândia

6. Central em Lima, Peru

7. Maido em Lima, Peru

8. Arpège, em Paris

9. Mugaritz em San Sebastian, Espanha

10. Asador Etxebarri, em Axpe Achondo, Espanha

11. Quintonil, na Cidade do México

12. Blue Hill at Stone Barns, em Pocantico Hills, EUA

13. Pujol, Cidade do México

14. Steirereck, em Viena, Áustria

15. White Rabbit, Moscovo, Rússia

16. Piazza Duomo, Alba, Itália

17. Den, em Tóquio, Japão

18. Disfrutar, em Barcelona, Espanha

19. Geranium, em Copenhaga, Dinamarca

20. Attica, em Melbourne, Austrália

21. Alain Ducasse au Plaza Athémée, em Paris

22. Narisawa, em Tóquio, Japão

23. Le Calandre, Rubano, Itália

24. Ultraviolet by Paul Pairet, Xangai, China

25. Cosme, em Nova Iorque, EUA

26. Le Bernardin, Nova Iorque, EUA

27. Boragó, Santiago do Chile

28. Odette, em Singapura

29. Alléno Paris au Pavillon Ledoyen em Paris, França

30. D.O.M., em São Paulo, Brasil

31. Arzak em San Sebastian, Espanha

32. Tickets, em Barcelona, Espanha

33. The Clove Club, em Londres, Inglaterra

34. Alinea, em Chicago, Estados Unidos

35. Maaemo, em Oslo, Noruega

36. Reale, em Castel di Sangro, Itália

37. Restaurant Tim Raue, em Berlim, Alemanha

38. Lyle's, em Londres

39. Astrid y Gastón, em Lima, Peru

40. Septime, em Paris, França

41. Nihonryori Ryugin, em Tóquio, Japão

42. The Ledbury, em Londres

43. Azurmendi, Larrabetzu, Espanha

44. Mikla, em Istambul, Turquia

45. Dinner by Heston Bluementhal

46. Saison em São Francisco, EUA

47. Schloss Schauenstein, em Fürstenau, Suíça

48. Hisa Franko, em Kobarid, Eslovénia

49. Nahm, em Bangkok, Tailândia

50. The Test Kitchen, na Cidade do Cabo, África do Sul

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.