Os (novos) 50 melhores restaurantes do mundo. Portugueses de fora

O primeiro lugar foi para Osteria Francescana, em Modena, do chef italiano Massimo Bottura. Os portugueses estão fora, com José Avillez em 75.º lugar

É considerado o Óscar da gastronomia. The World's 50 Best anunciou nesta terça-feira a lista de 2018 com os 50 melhores restaurantes do mundo. O primeiro lugar foi para Osteria Francescana, em Modena, do chef italiano Massimo Bottura, que já recebera o prémio, que acumula com três estrelas Michelin.

Os vencedores foram anunciados numa cerimónia que decorreu no Palácio Euskalduna Bilbao. Em segunda lugar está El Celler de Can Roca, do chef espanhol Joan Roca, em Girona, e, em terceiro, Mirazur, de Mauro Colagreco, em Menton, França. O Eleven Madison Park, em Nova Iorque, do chef Daniel Humm, que tem ocupado o pódio, ficou com o quarto lugar neste ano.

Há quatro mulheres nesta lista que tem sido criticada ao longo dos anos por ignorar as mulheres, mais uma do que no anterior. "Ainda há um longo caminho a percorrer até vermos as mulheres terem o reconhecimento devido nesta indústria dominada pelos homens", escreveu Christina Liao na Forbes . O Hiša Franko, na Eslovénia, de Ana Roš, que ocupa o 48.º lugar, é o primeiro restaurante dirigido apenas por mulher, que não tenha a seu lado um homem no mesmo papel.

Na lista mais alargada de 100 restaurantes surge o Belcanto, em Lisboa, do chef português José Avillez, em 75.º lugar.

Saiba quais são os 50 melhores restaurantes do mundo:

1. Osteria Francescana em Modena, Itália

2. El Cellar de Can Rosa em Girona, Espanha

3. Mirazur, em Menton, França

4. Eleven Madison Park, em Nova Iorque, Estados Unidos

5. Gaggan em Bangkok, Tailândia

6. Central em Lima, Peru

7. Maido em Lima, Peru

8. Arpège, em Paris

9. Mugaritz em San Sebastian, Espanha

10. Asador Etxebarri, em Axpe Achondo, Espanha

11. Quintonil, na Cidade do México

12. Blue Hill at Stone Barns, em Pocantico Hills, EUA

13. Pujol, Cidade do México

14. Steirereck, em Viena, Áustria

15. White Rabbit, Moscovo, Rússia

16. Piazza Duomo, Alba, Itália

17. Den, em Tóquio, Japão

18. Disfrutar, em Barcelona, Espanha

19. Geranium, em Copenhaga, Dinamarca

20. Attica, em Melbourne, Austrália

21. Alain Ducasse au Plaza Athémée, em Paris

22. Narisawa, em Tóquio, Japão

23. Le Calandre, Rubano, Itália

24. Ultraviolet by Paul Pairet, Xangai, China

25. Cosme, em Nova Iorque, EUA

26. Le Bernardin, Nova Iorque, EUA

27. Boragó, Santiago do Chile

28. Odette, em Singapura

29. Alléno Paris au Pavillon Ledoyen em Paris, França

30. D.O.M., em São Paulo, Brasil

31. Arzak em San Sebastian, Espanha

32. Tickets, em Barcelona, Espanha

33. The Clove Club, em Londres, Inglaterra

34. Alinea, em Chicago, Estados Unidos

35. Maaemo, em Oslo, Noruega

36. Reale, em Castel di Sangro, Itália

37. Restaurant Tim Raue, em Berlim, Alemanha

38. Lyle's, em Londres

39. Astrid y Gastón, em Lima, Peru

40. Septime, em Paris, França

41. Nihonryori Ryugin, em Tóquio, Japão

42. The Ledbury, em Londres

43. Azurmendi, Larrabetzu, Espanha

44. Mikla, em Istambul, Turquia

45. Dinner by Heston Bluementhal

46. Saison em São Francisco, EUA

47. Schloss Schauenstein, em Fürstenau, Suíça

48. Hisa Franko, em Kobarid, Eslovénia

49. Nahm, em Bangkok, Tailândia

50. The Test Kitchen, na Cidade do Cabo, África do Sul

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.