INE revê em baixa défice do ano passado para 2%

O INE reviu em baixa o valor do défice de 2016, passando de 2,1% para 2% do PIB

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu esta sexta-feira em baixa o valor do défice de 2016, de 2,1% para 2% do PIB, devido a uma revisão contabilística que permitiu uma melhoria do saldo em 57 milhões de euros.

Hoje, o INE remete ao Eurostat a segunda notificação de 2017 relativa ao Procedimento dos Défices Excessivos (PDE), revendo os valores do défice de 2015 e de 2016 face à notificação anterior e mantendo as metas orçamentais do Governo para este ano.

Comparativamente com a notificação anterior, remetida em março, os valores relativos aos anos 2015 e 2016 "apresentam revisões que decorrem da incorporação de nova informação, em que os dados de 2015 têm agora uma natureza final e os relativos a 2016 uma natureza provisória".

Assim, refere o INE, comparativamente com a publicação efetuada em março, "a necessidade líquida de financiamento do setor das AP agravou-se em cerca de 92 milhões de euros em 2015 [mantendo-se nos 4,4%], tendo melhorado em cerca de 57 milhões de euros em 2016".

"De acordo com esta estimativa provisória, o setor das Administrações Públicas apresentou, em 2016, uma necessidade líquida de financiamento de 3.665 milhões de euros (2,0% do PIB - Produto Interno Bruto)", refere o INE.

O instituto estatístico explica que as revisões subjacentes a 2015 resultam da incorporação de informação final e detalhada, agora disponível para todas as entidades das Administrações Públicas.

Já as revisões dos resultados para 2016 refletem, sobretudo, a apropriação de dados da Informação Empresarial Simplificada (IES) e de outra informação baseada na especialização do exercício ("accrual"), em lugar de informação baseada em fluxos de caixa, para um conjunto mais vasto de entidades.

Na segunda notificação do PDE, o Governo mantém a estimativa de obter um défice orçamental de 1,5% do PIB. Recorde-se que, para o ano corrente, as estimativas são da responsabilidade do Ministério das Finanças.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.