Economia cresce menos, mas garante alcance da meta do défice em 2018

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico estima que a economia portuguesa cresça abaixo das previsões do Governo

A OCDE está ligeiramente menos otimista do que o Governo quanto ao crescimento económico, esperando que o PIB avance 2,2%, mas antevê que a meta do défice seja alcançável este ano e o próximo.

No relatório com as previsões económicas mundiais divulgado esta quarta-feira ('Economic Outlook'), a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima que a economia portuguesa cresça "acima de 2% em 2018 e 2019", considerando que a "recuperação continuará a ser apoiada por reformas anteriores, comércio externo e procura interna favoráveis".

Segundo o relatório, que é coordenado por Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia do anterior governo PSD/CDS-PP e que é economista-chefe interino da OCDE, o PIB português deverá crescer 2,2% este ano e no próximo, ficando abaixo dos 2,3% que o executivo liderado por António Costa estima para cada um dos anos.

A execução de fundos estruturais este ano vai suportar o investimento e o crescimento do consumo vai permanecer sólido, "refletindo um forte crescimento do emprego", mas a OCDE adverte que "o crescimento lento da produtividade prejudica a sustentabilidade da recuperação".

Na frente orçamental, com o investimento público a apoiar o crescimento económico, a OCDE afirma que a política orçamental será "suavemente expansionista" este ano, para se tornar "amplamente neutra" em 2019.

Para a organização, a política orçamental para este ano e o próximo "é apropriada, dada a necessidade de manter a sustentabilidade financeira sem dificultar, ao mesmo tempo, a recuperação económica".

Neste contexto, a projeção de redução do défice nos próximos anos "é apropriada": a OCDE alinha a sua previsão com a do Governo para este ano e para o próximo, antevendo um défice de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 e de 0,2% em 2019.

A OCDE insiste ainda na necessidade de reformas que promovam a produtividade, o que, defende, inclui medidas para melhorar a eficiência do sistema de educação vocacional e para apoiar o acumular de competências no sistema de educação geral, que iria beneficiar de mais formação para os professores e de um "melhor apoio aos alunos em risco".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.