Número de inscritos nos centros de emprego caiu 16,8% em novembro

O número de inscritos nos centros de emprego caiu 16,8% em novembro face ao mesmo mês do ano passado, para 404 625, segundo dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

"No final do mês de novembro de 2017, estavam registados, nos Serviços de Emprego do continente e regiões autónomas, 404 625 indivíduos desempregados, número que representa 69,4% de um total de 583 277 pedidos de emprego", avança o instituto na informação divulgada esta semana.

Apesar da queda de 16,8% face ao mês homólogo (menos 81 809 desempregados), os dados mostram que, comparando com o mês anterior, o número de inscritos ficou praticamente inalterado (mais 61 desempregados).

Para a diminuição do desemprego face a novembro de 2016, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (menos 19,3%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (queda de 16,5%), os inscritos há menos de um ano (menos 16,4%), os que procuravam novo emprego (menos 17%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo do ensino básico (menos 20,7%).

As ofertas de emprego por satisfazer totalizavam em novembro 20.792, um acréscimo anual de 29,7% (mais 4 761) e uma descida mensal de 15% (menos 3 677).

Quanto aos movimentos ao longo do mês de novembro, o IEFP registou 56 884 desempregados inscritos, número inferior em 2,3% ao do mesmo mês de 2016, com a região do Alentejo a registar a descida percentual mais elevada, de 17,5%.

Comparando com o mês anterior, o volume de inscrições de desempregados foi superior em 5,9% (mais 3 169), devido ao aumento mensal de inscrições na região do Algarve (mais 5 603).

As ofertas de emprego recebidas ao longo de novembro totalizaram 10 233 em todo o país, mais 22,9% face ao mês homólogo (mais 1 909), mas menos 32,1% do que no mês anterior.

As colocações realizadas durante novembro totalizaram 7 405 em todo o país, número superior em 27,3% ao de igual período de 2016 e inferior em 4,1% comparando com outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.