Número de inscritos nos centros de emprego caiu 16,8% em novembro

O número de inscritos nos centros de emprego caiu 16,8% em novembro face ao mesmo mês do ano passado, para 404 625, segundo dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

"No final do mês de novembro de 2017, estavam registados, nos Serviços de Emprego do continente e regiões autónomas, 404 625 indivíduos desempregados, número que representa 69,4% de um total de 583 277 pedidos de emprego", avança o instituto na informação divulgada esta semana.

Apesar da queda de 16,8% face ao mês homólogo (menos 81 809 desempregados), os dados mostram que, comparando com o mês anterior, o número de inscritos ficou praticamente inalterado (mais 61 desempregados).

Para a diminuição do desemprego face a novembro de 2016, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (menos 19,3%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (queda de 16,5%), os inscritos há menos de um ano (menos 16,4%), os que procuravam novo emprego (menos 17%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo do ensino básico (menos 20,7%).

As ofertas de emprego por satisfazer totalizavam em novembro 20.792, um acréscimo anual de 29,7% (mais 4 761) e uma descida mensal de 15% (menos 3 677).

Quanto aos movimentos ao longo do mês de novembro, o IEFP registou 56 884 desempregados inscritos, número inferior em 2,3% ao do mesmo mês de 2016, com a região do Alentejo a registar a descida percentual mais elevada, de 17,5%.

Comparando com o mês anterior, o volume de inscrições de desempregados foi superior em 5,9% (mais 3 169), devido ao aumento mensal de inscrições na região do Algarve (mais 5 603).

As ofertas de emprego recebidas ao longo de novembro totalizaram 10 233 em todo o país, mais 22,9% face ao mês homólogo (mais 1 909), mas menos 32,1% do que no mês anterior.

As colocações realizadas durante novembro totalizaram 7 405 em todo o país, número superior em 27,3% ao de igual período de 2016 e inferior em 4,1% comparando com outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.