Número de inscritos nos centros de emprego caiu 16,8% em novembro

O número de inscritos nos centros de emprego caiu 16,8% em novembro face ao mesmo mês do ano passado, para 404 625, segundo dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

"No final do mês de novembro de 2017, estavam registados, nos Serviços de Emprego do continente e regiões autónomas, 404 625 indivíduos desempregados, número que representa 69,4% de um total de 583 277 pedidos de emprego", avança o instituto na informação divulgada esta semana.

Apesar da queda de 16,8% face ao mês homólogo (menos 81 809 desempregados), os dados mostram que, comparando com o mês anterior, o número de inscritos ficou praticamente inalterado (mais 61 desempregados).

Para a diminuição do desemprego face a novembro de 2016, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (menos 19,3%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (queda de 16,5%), os inscritos há menos de um ano (menos 16,4%), os que procuravam novo emprego (menos 17%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo do ensino básico (menos 20,7%).

As ofertas de emprego por satisfazer totalizavam em novembro 20.792, um acréscimo anual de 29,7% (mais 4 761) e uma descida mensal de 15% (menos 3 677).

Quanto aos movimentos ao longo do mês de novembro, o IEFP registou 56 884 desempregados inscritos, número inferior em 2,3% ao do mesmo mês de 2016, com a região do Alentejo a registar a descida percentual mais elevada, de 17,5%.

Comparando com o mês anterior, o volume de inscrições de desempregados foi superior em 5,9% (mais 3 169), devido ao aumento mensal de inscrições na região do Algarve (mais 5 603).

As ofertas de emprego recebidas ao longo de novembro totalizaram 10 233 em todo o país, mais 22,9% face ao mês homólogo (mais 1 909), mas menos 32,1% do que no mês anterior.

As colocações realizadas durante novembro totalizaram 7 405 em todo o país, número superior em 27,3% ao de igual período de 2016 e inferior em 4,1% comparando com outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.