Novos donos recuam e já admitem negociar rotas para o Porto

Afinal, a decisão da TAP em suspender rotas não parece ser irreversível

Agora que há acordo assinado para a redistribuição do capital da TAP entre o Estado e o consórcio Gateway, de David Neeleman e Humberto Pedrosa, o governo falou pela primeira vez sobre a operação da companhia aérea no Porto. Pedro Marques, que foi ontem ao Parlamento para explicar a alteração da privatização, garantiu que a discussão sobre os voos da companhia no Aeroporto Sá Carneiro é um dossiê em aberto e que os privados ainda vão negociar. "Vejo com muito bons olhos a disponibilidade que hoje mesmo o consórcio manifestou de reforçar o diálogo com os agentes económicos e os autarcas da região a favor da TAP, a favor do serviço às portuguesas e aos portugueses", disse o ministro.

Este diálogo, confirmou fonte oficial da TAP ao DN/Dinheiro Vivo, já está a decorrer, tendo "havido contactos com agentes económicos" nos últimos dias. E ganha um novo fôlego na próxima semana quando, na segunda-feira, o Conselho Metropolitano do Porto receber a TAP para discutir o plano estratégico para o aeroporto. O DN/Dinheiro Vivo apurou que estará presente, pelo menos, um elemento do consórcio Atlantic Gateway, bem como Fernando Pinto, presidente da TAP e homem forte da operação estratégica da companhia.

Não se sabe se as decisões de acabar com quatro rotas com partida e chegada ao Sá Carneiro poderão ser revertidas. Mas certo é que só uma nova posição poderá trazer a acalmia à região. Da parte da TAP, a companhia lembra que "nunca esteve fechada ao diálogo, pois é sempre útil o conhecimento das realidades de parte a parte".

Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, tem feito deste uma bandeira política. Ainda nesta quarta-feira, o autarca considerou que "a estratégia da TAP é um insulto à cidade do Porto e uma tentativa de destruir o aeroporto para construir um novo, uma nova ponte e uma nova Expo [em Lisboa]". Nem a ponte aérea que fará a ligação entre a capital e o Porto de hora a hora, a partir de 27 de março, parece conformar o autarca; como também não chega a confirmação dada pela companhia de que irá manter o voo noturno que sai de Lisboa para fazer a ligação dos passageiros que vêm em voos de médio curso da Europa. É apenas, diz Moreira, "uma pequena vitória porque recuperámos um voo que a TAP tinha suprimido". O autarca diz ainda que no plano inicial enviado pela companhia estavam previstos 16 voos diários com partida de Lisboa, menos dois do que o horário divulgado nesta semana e em que se confirmam as ligações da ponte aérea. Os "novos" voos da TAP para o Porto têm partidas às 17.45 e às 22.25, sendo este último "o que tinha sido suprimido", explicou a autarquia.

O governo confirma que não irá interferir na operação estratégica da TAP, nem agora que acordou uma nova distribuição do capital da companhia para que o Estado passe a deter 50%. E se Pedro Marques vê "com bons olhos" um diálogo com o Porto, António Costa assume diretamente que "um dos objetivos estratégicos é manter uma base relevante de operações do Porto e a partir do Porto". Em declarações ao Expresso Diário, o primeiro-ministro sublinhou ontem que, além do hub de Lisboa, "teremos uma internacionalização crescente da cidade e isso passa também pelas ligações aéreas do Porto ao resto do mundo, e à Europa em particular".

À exceção da confirmação de que o Porto não é um assunto encerrado, o ministro Pedro Marques pouco mais adiantou na sua ida à Assembleia da República. Os deputados queriam saber quem será o novo responsável pela dívida da TAP; quais os custos para o erário público desta alteração do negócio da venda; e até se o voto de qualidade que o presidente do conselho de administração - nomeado pelo Estado - não é uma golden share encapotada.

O ministro não se alongou em explicações. Reforçou, no entanto, que a nova distribuição de capital garante que o Estado se mantém na companhia por vários anos e que "nenhuma decisão relevante para a empresa será feita sem o acordo do Estado. O governo conseguiu assumir uma posição efetiva", disse Pedro Marques.

Exclusivos