Novo escândalo afeta mais 800 mil carros da Volkswagen

A fabricante automóvel anunciou ter descoberto "inconsistências inexplicadas" na medição de CO2

A Volkswagen anunciou esta terça-feira que descobriu "inconsistências por explicar" ao determinar os níveis de emissões de dióxido de carbono de certos veículos. O novo problema poderá afetar cerca de 800 mil veículos.

Num comunicado emitido esta terça-feira e citado pela Bloomberg, a fabricante automóvel anunciou que, numa investigação interna na sequência do escândalo causado por uma fraude nalguns motores a diesel da empresa, foram descobertas novas inconsistências nas emissões de dióxido de carbono.

A empresa não revelou ainda quais os tipos de motores afetados, embora tenha dito que o problema estará em cerca de 800 mil veículos. Uma "estimativa inicial" admite que os riscos económicos para a Volkswagen possam rondar os 2.000 milhões de euros.

Na segunda-feira, a Agência Ambiental norte-americana denunciou que a Volkswagen instalou dispositivos de manipulação de emissões poluentes em automóveis em motores 3.0, incluindo o Touareg 2014, o Porsche Canyenne 2015 e o Audi A6 Quattro 2016, noticiou a Bloomberg.

A instalação deste dispositivo tecnológico permitiu que estes veículos passassem nos testes poluentes, embora as emissões fossem nove vezes superiores ao permitido por lei. O fabricante automóvel alemão terá instalado o dispositivo fraudulento para enganar os testes em modelos entre 2014 e 2016.

Na sequência desta denúncia, o grupo automóvel alemão negou a existência desse programa informático para falsear os resultados dos testes antipoluição nesses motores.

A 18 de setembro foram conhecidos publicamente os resultados de testes a emissões poluentes de viaturas equipadas com motores 'diesel' do grupo Volkswagen, relativamente às marcas Volkswagen, Audi, Seat e Sköda, concluindo-se pela existência de viaturas equipadas com um dispositivo que permite a manipulação de informação relativa a emissões poluentes.

O grupo alemão admitiu a existência de 11 milhões de carros nestas circunstâncias, e em Portugal, de acordo com informação divulgada pela SIVA, representante das marcas Volkswagen, Audi e Sköda, estima-se que existam cerca de 94 mil viaturas afetadas, mais 23 mil da marca Seat, totalizando 117 mil veículos.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.