Novo Banco. Saída de trabalhadores atinge os 1300 incluindo operações internacionais

Objetivos de redução de funcionários estão cumpridos, garante presidente

O presidente do Novo Banco afirmou esta quinta-feira que, incluindo as operações internacionais, já saíram cerca de 1.300 trabalhadores do banco, pelo que os objetivos de 2017 de redução de funcionários estão cumpridos, e que até dezembro só haverá "saídas normais".

Em entrevista à Lusa, após o banco ter apresentado esta quinta-feira prejuízos de 359 milhões de euros até setembro, uma melhoria de 14,3% face a período homólogo, António Ramalho afirmou que, "para efeitos da obtenção dos resultados em custos", a sua administração decidiu "antecipar para setembro a conclusão de todo o seu programa de reestruturação já anunciado para o final do ano".

Em termos de trabalhadores, o Novo Banco informou esta quinta-feira em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que, nos primeiros nove meses do ano, saíram do banco 1.062 trabalhadores, que compara com o objetivo de uma redução de 1.000 pessoas no total do ano de 2016.

Já incluindo as operações internacionais, disse António Ramalho à Lusa, o número de saídas sobe para as 1.300 pessoas: "Aqui só colocámos o processo de reestruturação com as operações nacionais. Se juntássemos as operações internacionais, estaríamos já a falar de uma saída global de 1.300 pessoas, portanto, praticamente cumpridos todos os objetivos até ao final de 2017", afirmou.

As saídas de trabalhadores este ano do Novo Banco aconteceram através de reformas antecipadas, rescisões por mútuo acordo e houve ainda um processo de despedimento coletivo que envolveu cerca de 50 pessoas.

Quanto à rede comercial, o Novo Banco conta chegar ao final de 2016 com 540 agências, contra as 550 previstas.

Estas reduções na estrutura contribuíram para a diminuição este ano dos custos operacionais em 145 milhões de euros, muito próximo da redução de 150 milhões de euros prevista para dezembro, segundo a instituição.

Citando estes dados, o presidente do Novo Banco afirmou que "todos os objetivos estão já atingidos", destacando que isto permite a "concentração no negócio", e que até final de 2016 "só [haverá] as [saídas] normais" de trabalhadores.

Já sobre se haverá um novo processo de saída de funcionários em 2017 caso não seja encontrado comprador para o Novo Banco até final de 2016, António Ramalho foi perentório e disse que "essa questão nem se coloca".

Sobre a venda da entidade que dirige, e que resultou da resolução do ex-Banco Espírito Santo (BES), António Ramalho diz que o Novo Banco cumpriu a parte que lhe cabia de "informar potenciais compradores" até ao passado dia 04 de novembro, data até à qual os interessados podiam apresentar propostas finais.

"Há um tempo para informar potenciais compradores e há um tempo para decidir sobre eles. Vamos agora aguardar que esse tempo seja exercido com toda a serenidade, mas dentro do que é a programação prevista", acrescentou o responsável.

Nos resultados apresentados ao mercado, o Novo Banco explicou que constituiu 762,6 milhões de euros de imparidades, mais 298,3 milhões de euros face ao período homólogo de 2015, sendo essas provisões sobretudo para crédito (425,8 milhões de euros), mas também 113,7 milhões para fazer face a perdas potenciais com títulos e 110,6 milhões para custos de reestruturação, em que se incluem segundo António Ramalho "os custos de encerramento de edifícios e de redução de serviços".

Questionado sobre quanto é que o Novo Banco gastou com a saída de pessoal, o presidente da instituição disse que esse exercício será feito "apenas no final do ano", mas garantiu que está dentro do previsto e que "não há custos adicionais".

Depois de no ano passado ter falhado o primeiro processo de venda, o Novo Banco negociou um plano de reestruturação com a Comissão Europeia que implica a redução da estrutura, cortes de custos e vendas de unidades no estrangeiro.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.