Novo Banco recua no despedimento coletivo

Instituição avança com rescisões por mútuo acordo. Despedimentos são último recurso

O Novo Banco quer reduzir o número de efetivos através de um programa de rescisões por mútuo acordo e só avança com despedimento coletivo caso não atinja as metas negociadas com Bruxelas, disse hoje à Lusa fonte próxima do processo.

Na quinta-feira, a administração do banco reuniu-se com a Comissão Nacional de Trabalhadores (CNT) e com os representantes dos sindicatos do setor, dando seguimento ao processo negocial iniciado no final de fevereiro, tendo revelado que pretende que a redução de 500 trabalhadores que tem que fazer no âmbito do plano de reestruturação aprovado pela Comissão Europeia seja realizada através de rescisões amigáveis.

Neste plano está previsto o corte do quadro de pessoal em 1000 efetivos em 2016, porém, tal como a equipa de gestão da entidade anunciou a 25 de fevereiro, cerca de metade deste número já foi concretizada através de um programa de reformas antecipadas que foi conduzido ao longo dos últimos meses.

Assim, faltam sair cerca de 500 colaboradores do banco liderado por Eduardo Stock da Cunha, e é necessário atingir uma redução de 150 milhões de euros nos custos operacionais relativos ao presente exercício.

Isso implica que as saídas de trabalhadores ocorram o mais rapidamente possível, de forma a aliviar o encargo do banco com a massa salarial.

No final de fevereiro, após uma reunião entre a administração do Novo Banco, a CNT e os representantes dos sindicatos (SBSI, SBN, SBC, SNQATB, SIB e SINTAF), a estrutura que representa os trabalhadores tinha dito que o banco ia cortar 1.000 postos de trabalho este ano, recorrerendo para o efeito a um despedimento coletivo de 500 colaboradores.

Horas depois, a administração esclareceu que a reestruturação da entidade implica a saída de até 500 trabalhadores em 2016, e não de 1.000, devido à redução de pessoal já feita nos últimos meses.

No ano passado, o Novo Banco cortou o número de colaboradores em 411 para 7.311 funcionários e reduziu 40 agências para um total de 635, de acordo com os números apresentados pela instituição durante a divulgação das contas de 2015.

O número de trabalhadores no mercado doméstico baixou para 6.571 colaboradores no ano passado, menos 261 do que em 2014, e foram encerradas 35 agências para um total de 596 em Portugal.

Já na atividade internacional o quadro de pessoal foi reduzido em 150 trabalhadores para um total de 740 e o número de balcões baixou para 39, menos cinco do que em 2014.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.