Novo Banco com prejuízo recorde de 1.395 milhões de euros

O banco bom do BES deu, em 2017, um prejuízo muito a cima dos 788,3 milhões de euros apresentados em 2016

O Novo Banco teve prejuízos de 1.395,4 milhões de euros em 2017, a cima dos 788,3 milhões de euros apresentados em 2016, devido à constituição de "elevados montantes" de provisões, segundo comunicou a instituição ao mercado.

No comunicado à CMVM, o Novo Banco diz que "os prejuízos apresentados decorreram, fundamentalmente, do reconhecimento de montantes elevados de imparidades, de acordo com as exigências das autoridades europeias de forma a que as instituições bancárias tenham condições de recuperar rentabilidade de uma forma mais rápida e consistente".

O Novo Banco constituiu, o ano passado, 2.057 milhões de euros em imparidades (provisões para potenciais perdas), quer para crédito quer para negócios a serem alienados ou descontinuados.

O banco refere ainda que recorreu em 791,7 milhões de euros ao mecanismo de capital contingente, acordado aquando da venda ao Lone Star, pelo qual o Fundo de Resolução bancário (sob gestão do Banco de Portugal) ficou de capitalizar o Novo Banco em caso de necessidades de capital em determinadas circunstâncias.

"Em 31 de dezembro de 2017 o mecanismo acima referido foi ativado conduzindo ao registo de uma compensação de 791,7 milhões de euros, de forma a que o Banco se mantenha uma instituição financeiramente sólida e bem capitalizada, com rácios de capital e níveis de rentabilidade potenciadores da sua atividade", lê-se na informação ao mercado.

Desde outubro, o Novo Banco (criado em agosto de 2014 para ficar com os ativos considerados menos problemáticos do ex-BES) pertence em 75% ao fundo norte-americano Lone Star, mantendo o Fundo de Resolução bancário os restantes 25%.

O Novo Banco fechou 2017 com rácio de capital CET de 12,8% com as regras do período de transição.

Menos 608 trabalhadores em 2017

O Novo Banco reduziu o número de trabalhadores em 608 no ano passado, segundo as contas de 2017 hoje divulgadas.

No final de 2017, o banco tinha 5.488 trabalhadores, menos 608 do que os 6.096 do final de 2016.

Apenas em Portugal, o banco tinha no final do ano passado 5.156 trabalhadores, menos 531 face a 2016 (5.687).

Já na atividade internacional o banco tinha 332 funcionários em dezembro passado, menos 77 do que os 409 de 2016.

O Novo Banco teve prejuízos de 1.395,4 milhões de euros em 2017, acima dos 788,3 milhões de euros, devido à constituição de "elevados montantes" de provisões, segundo comunicou a instituição ao mercado.

Quanto ao resultado operacional, esse foi positivo em 341,7 milhões de euros em 2017, abaixo dos 386,6 milhões de euros de 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.