Novas compras de media pela Altice é cenário "pouco provável"

Altice e Prisa acabam com venda da TVI. Prisa admite "todos os cenários" para a Media Capital. Altice mantém aposta nas Telecom

O negócio que há um ano não iria ter "entraves de maior" junto dos reguladores acabou ontem com a Altice a apontar o atraso na decisão sobre a compra da TVI como razão para o fim da operação de 440 milhões de euros. A Autoridade da Concorrência (AdC) deveria pronunciar-se esta semana sobre a operação que ia colocar nas mãos da dona do Meo um grupo que inclui a TVI, a produtora Plural ou a Rádio Comercial. Um chumbo, tudo indicava, depois de a Altice ter recusado novos compromissos. A espanhola Prisa vai agora analisar "todos os cenários" para a Media Capital, inclusive a venda.

"A Altice lamenta que, apesar de ter desenvolvido os melhores esforços, os reguladores não tenham emitido as decisões necessárias à concretização da transação em tempo útil", acusa. A AdC, que em fevereiro levou o negócio para investigação aprofundada e em maio recusou os compromissos do grupo francês por considerar que não protegiam os interesses dos consumidores nem a concorrência, não quis comentar, confirmando apenas ter recebido um requerimento dando conta do fim da compra da TVI, "que está a analisar".

A Altice sofre, assim, um revés na estratégia de concentração de ativos de media, telecomunicações e publicidade. E os analistas têm sérias dúvidas de que o grupo de Patrick Drahi volte às compras. Mas não necessariamente por recear um chumbo dos reguladores. "É difícil vermos uma nova tentativa de aquisição pela Altice", diz Rui Bárbara, gestor de ativos do Banco Carregosa. "A situação atual da Altice mudou bastante desde o início deste processo. O grupo precisa de pagar a dívida à custa da qual fez muitas aquisições nos últimos anos, os resultados do corte de custos e da integração de negócios ainda não deu muitos frutos, a equipa de gestão foi substituída e o apetite comprador pode ter diminuído", justifica. Por isso, excluem cenários de tentativa de aquisição de grupos de media como a Cofina ou Impresa, os dois privados com canais generalistas. Um cenário "pouco provável", diz Albino Oliveira, analista da Patris Investimentos.

Os donos do Meo não comentaram se mantêm interesse em ativos de media em Portugal. "A Altice reafirma a sua aposta em Portugal, principalmente no mercado das telecomunicações, onde continuará o seu investimento em tecnologia e inovação", garante. E deixa recado. É "imperioso que todos reflitam sobre as consequências cau- sadas aos investidores, quer nacionais quer estrangeiros, à criação e sustentabilidade de emprego, à criação de valor e por último à economia nacional, dado o excessivo arrastar de tempo deste processo".

Será este "recado" um sinal de que vai reforçar o corte de custos, inclusive com pessoal? "Não necessariamente. Os problemas da empresa estão sobretudo centrados em França. A empresa precisa sobretudo de colocar as aquisições que fez a dar resultados, embora não haja margem para abrandar o corte de custos", diz Rui Bárbara.

Se as ações da Altice não reagiram ao fim do negócio (-0,71%), as da Prisa tiveram a maior queda dos últimos cinco meses - 6,42%. "Esta notícia não é positiva para a Prisa. O grupo terá de procurar alternativas para a sua estratégia de redução do nível de endividamento, principalmente tendo em conta a deterioração da situação na América Latina", diz Albino Oliveira. Até março, a Prisa tinha uma dívida bancária de 817,9 milhões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.