Nestlé quer 400 trabalhadores no novo centro de serviços 

Indústria Multinacional prevê investir nos próximos 18 a 20 meses mais de 40 milhões nas fábricas do Porto e em Avanca

A Nestlé Portugal quer aumentar neste ano em 14% o número de trabalhadores, depois de ter fechado 2017 com 1922 colaboradores. O novo centro que presta serviços para vários mercados europeus deverá absorver a maioria das contratações. "Esta é a área onde estamos a contratar mais", admite Paolo Fagnoni, diretor-geral da Nestlé Portugal. As receitas da empresa cresceram 2,9%, para 486 milhões em 2017. Até março, as receitas subiram 6% para 117 milhões. Mais de 40 milhões é o investimento previsto nas fábricas no Porto e Avanca.

O novo centro de serviços já começou a funcionar no edifício-sede da Nestlé, em Linda-a-Velha. A Quinta da Alagoa, em Cascais, chegou a ser apontada como a futura localização. Já foi tomada uma decisão? "O processo está ongoing", afirma Paolo Fagnoni. "Ainda não temos todos os elementos para decidir sobre esse local ou outro." Daqui a "dois ou três meses" contam ter uma decisão final sobre "se ficamos [na sede] ou procuramos outra solução". Até ao final do ano ou início de 2019, a Nestlé quer ter 400 pessoas a trabalhar no centro de serviços. Neste momento, 140 pessoas já estão a prestar apoio na área de processamento de encomendas, compras e desenvolvimento de media sociais digitais, para mercados como Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Holanda, Escandinávia, Itália (arranca ainda em maio) e França em breve. A sede em Linda-a-Velha tem cerca de 700 pessoas, tendo capacidade para acolher até mil.

Depois de um crescimento de 6% nas vendas da Nestlé até março, Paolo Fagnoni admite que este ritmo não deverá manter-se nos trimestres seguintes apontando um crescimento anual em linha com 2017: "Esperamos crescer entre 2% e 3%", diz. No ano passado 67% das compras da Nestlé foram a fornecedores locais: 150 milhões.

A Nestlé vai continuar a investir na área de produção, estando previsto injetar mais de 40 milhões nas fábricas do Porto (café torrado) e Avanca (cereais) nos próximos 18 a 20 meses. Desse montante, "entre 70% e 80%" será realizado neste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.