Nestlé quer 400 trabalhadores no novo centro de serviços 

Indústria Multinacional prevê investir nos próximos 18 a 20 meses mais de 40 milhões nas fábricas do Porto e em Avanca

A Nestlé Portugal quer aumentar neste ano em 14% o número de trabalhadores, depois de ter fechado 2017 com 1922 colaboradores. O novo centro que presta serviços para vários mercados europeus deverá absorver a maioria das contratações. "Esta é a área onde estamos a contratar mais", admite Paolo Fagnoni, diretor-geral da Nestlé Portugal. As receitas da empresa cresceram 2,9%, para 486 milhões em 2017. Até março, as receitas subiram 6% para 117 milhões. Mais de 40 milhões é o investimento previsto nas fábricas no Porto e Avanca.

O novo centro de serviços já começou a funcionar no edifício-sede da Nestlé, em Linda-a-Velha. A Quinta da Alagoa, em Cascais, chegou a ser apontada como a futura localização. Já foi tomada uma decisão? "O processo está ongoing", afirma Paolo Fagnoni. "Ainda não temos todos os elementos para decidir sobre esse local ou outro." Daqui a "dois ou três meses" contam ter uma decisão final sobre "se ficamos [na sede] ou procuramos outra solução". Até ao final do ano ou início de 2019, a Nestlé quer ter 400 pessoas a trabalhar no centro de serviços. Neste momento, 140 pessoas já estão a prestar apoio na área de processamento de encomendas, compras e desenvolvimento de media sociais digitais, para mercados como Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Holanda, Escandinávia, Itália (arranca ainda em maio) e França em breve. A sede em Linda-a-Velha tem cerca de 700 pessoas, tendo capacidade para acolher até mil.

Depois de um crescimento de 6% nas vendas da Nestlé até março, Paolo Fagnoni admite que este ritmo não deverá manter-se nos trimestres seguintes apontando um crescimento anual em linha com 2017: "Esperamos crescer entre 2% e 3%", diz. No ano passado 67% das compras da Nestlé foram a fornecedores locais: 150 milhões.

A Nestlé vai continuar a investir na área de produção, estando previsto injetar mais de 40 milhões nas fábricas do Porto (café torrado) e Avanca (cereais) nos próximos 18 a 20 meses. Desse montante, "entre 70% e 80%" será realizado neste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.