"Não há expectativa de que possa haver acordo no salário mínimo"

O presidente da CCP espera um OE mais amigo das empresas. Quer o fim do pagamento especial por conta, mas que não seja uma troca à subida do SMN.

João Vieira Lopes espera que o próximo Orçamento do Estado (OE) acomode medidas "amigas" das empresas e que possa dar sinais de que há vontade em descer a taxa do IRC. As negociações sobre o salário mínimo nacional (SMN) a aplicar em 2018 não começaram ainda, mas o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) vê com preocupação que o valor tenha sido balizado em acordos políticos, e diz que as compensações encontradas para 2017 não estão a funcionar.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia