Mutualista dá 106 milhões para Montepio passar a ser um banco social

OPA sobre 26,5% do banco a um euro enquadra-se na estratégia para abrir capital a instituições da área social. Montepio sai da bolsa

A Montepio Geral - Associação Mutualista quer assegurar 100% do capital da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG). Ontem, avançou com o anúncio preliminar de uma oferta pública de aquisição (OPA) geral e voluntária sobre os 26,5% do banco que ainda não está nas suas mãos. Oferece um euro por cada unidade de participação, um pouco mais do dobro do valor em bolsa. O objetivo da Mutualista é facilitar a futura transformação do banco em sociedade anónima, etapa essencial para a viragem do mesmo para uma instituição financeira social de capital partilhado com outros parceiros da área. Ou seja, para a entrada das Misericórdias no seu capital.

A Mutualista é atualmente dona de 100% do capital institucional do banco, onde estão 100% dos direitos de voto, e de 73,5% do capital disperso através de 400 milhões UP. Para deter na íntegra o banco, a entidade presidida por Tomás Correia terá de comprar as 106 milhões de unidades que lhe faltam, o que coloca o esforço total da operação nos 106 milhões de euros. A oferta implica igualmente a saída de bolsa da Caixa Económica Montepio Geral.

"A oferta visa assegurar um tratamento equitativo aos detentores das Unidades de Participação, dando-lhes a possibilidade de alienarem estes valores mobiliários integrantes do património social da CEMG ao oferente", detalha a Mutualista no anúncio preliminar da OPA.

"O objetivo último do oferente é assegurar que, na sequência da referida transformação em sociedade anónima, o capital social da CEMG venha a ser detido, na maior extensão possível, por entidades da economia social", detalha ainda o documento.

António Tomás Correia, presidente da Mutualista, rotulou o avanço da OPA sobre o Montepio como "uma medida fundamental para que, após a sua transformação em sociedade anónima, o capital social da CEMG" venha a ser redistribuído por outras instituições sociais. "É um importante passo para dar corpo à estratégia de tornar a CEMG na Instituição Financeira da Economia Social, podendo assim contribuir ativamente para o desenvolvimento do nosso país."

O anúncio da OPA surgiu quatro dias após a assinatura de um memorando de entendimento entre a Mutualista e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, tutelada por Santana Lopes, para a sua entrada no capital do banco, além de outras entidades da economia social.

Na sexta-feira passada, a Associação Mutualista e a Santa Casa assinaram um "memorando de entendimento para uma parceria estratégica" que visará o desenvolvimento da economia social. Este acordo foi o primeiro passo oficial tendo em vista a entrada da Santa Casa no capital da Caixa Económica Montepio Geral.

No memorando, a Mutualista e a SCML "comprometem-se a encetar negociações de boa-fé, numa base de melhores esforços, com vista a, tão prontamente quanto o respeito dos procedimentos o permitir (...), concretizar a participação da SCML".

O Montepio entrou na bolsa em dezembro de 2013, com as UP a valerem 1 euro. Desde então, só uma vez superou esta barreira. O valor do banco esteve sempre a descer, à exceção da forte valorização de final de maio. Agora vai sair ao mesmo preço.

Exclusivos