Mude de fornecedor de energia e poupe alguns euros

O último boletim da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos divulgou as ofertas mais económicas do mercado do segundo trimestre deste ano.

Na hora de escolher o tarifário de eletricidade mais barato pode deparar-se com uma tarefa complicada. Com a liberalização do mercado da energia elétrica e gás natural, o consumidor passou a ser livre de escolher o comercializador que melhor responde às suas necessidades e mudar as vezes que pretender. Atualmente, a oferta é vasta e variada. Tarifa simples ou bi-horária? Só eletricidade ou gás natural também?

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) revela que existem 18 comercializadores a operar no mercado português e mais de 90 ofertas. Se contabilizarmos as ofertas duais, ou seja, aquelas que incluem gás natural, o número sobe para mais de 150. "Atualmente, 81% dos consumidores já se encontra no mercado livre de eletricidade, correspondendo a mais de cinco milhões de clientes", adiantou a ERSE ao Dinheiro Vivo.

A análise da ERSE baseou-se em três tipos de consumidores domésticos: um casal sem filhos, um casal com dois filhos e um casal com quatro filhos.

No cenário de um casal sem filhos, a oferta mais económica é da GoldEnergy, com uma fatura anual de 325 euros (27 euros por mês). Optando pelo mercado livre, o casal vai poupar entre 33 e 47 euros anuais relativamente à oferta do mercado regulado. Se preferir o serviço dual, que inclui gás natural, é também a GoldEnergy a opção mais em conta, com uma fatura de 431 euros anuais.

Para um casal com dois filhos, a opção mais barata é da Galp. A fatura desta família ronda os 844 euros anuais (aproximadamente 70 euros por mês). A poupança em relação às tarifas do mercado regulado é de 54 a 91 euros por ano. Também a oferta dual mais barata é da Galp, com uma fatura anual de 1029 euros.

No caso de uma família numerosa, com quatro filhos, é também a Galp que oferece a oferta mais vantajosa, com uma fatura anual de 1861 euros (cerca de 151 euros por mês). Comparando com a oferta do mercado regulado, a poupança desta família é de 143 a 202 euros por ano. Para este cenário familiar, a oferta dual com a menor fatura é da Galp, com um valor de 2158 euros por ano. Em todos os cenários traçados pela ERSE é possível perceber que as ofertas comerciais mais baratas são sempre mais vantajosas do que as tarifas reguladas.

Se tiver dúvidas, esteja atento às faturas da luz. Atualmente, os fornecedores do mercado livre são obrigados a informar os consumidores sobre o valor da diferença entre o preço praticado em regime de mercado e a nova tarifa regulada.

Para fazer as contas, pode ainda recorrer a simuladores online. A ERSE, a Deco e o Poupa Energia, por exemplo, disponibilizam ferramentas para poder comparar as várias ofertas, tornando mais fácil o processo de seleção.

Sara Fernandes é jornalista do Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.