Mude de fornecedor de energia e poupe alguns euros

O último boletim da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos divulgou as ofertas mais económicas do mercado do segundo trimestre deste ano.

Na hora de escolher o tarifário de eletricidade mais barato pode deparar-se com uma tarefa complicada. Com a liberalização do mercado da energia elétrica e gás natural, o consumidor passou a ser livre de escolher o comercializador que melhor responde às suas necessidades e mudar as vezes que pretender. Atualmente, a oferta é vasta e variada. Tarifa simples ou bi-horária? Só eletricidade ou gás natural também?

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) revela que existem 18 comercializadores a operar no mercado português e mais de 90 ofertas. Se contabilizarmos as ofertas duais, ou seja, aquelas que incluem gás natural, o número sobe para mais de 150. "Atualmente, 81% dos consumidores já se encontra no mercado livre de eletricidade, correspondendo a mais de cinco milhões de clientes", adiantou a ERSE ao Dinheiro Vivo.

A análise da ERSE baseou-se em três tipos de consumidores domésticos: um casal sem filhos, um casal com dois filhos e um casal com quatro filhos.

No cenário de um casal sem filhos, a oferta mais económica é da GoldEnergy, com uma fatura anual de 325 euros (27 euros por mês). Optando pelo mercado livre, o casal vai poupar entre 33 e 47 euros anuais relativamente à oferta do mercado regulado. Se preferir o serviço dual, que inclui gás natural, é também a GoldEnergy a opção mais em conta, com uma fatura de 431 euros anuais.

Para um casal com dois filhos, a opção mais barata é da Galp. A fatura desta família ronda os 844 euros anuais (aproximadamente 70 euros por mês). A poupança em relação às tarifas do mercado regulado é de 54 a 91 euros por ano. Também a oferta dual mais barata é da Galp, com uma fatura anual de 1029 euros.

No caso de uma família numerosa, com quatro filhos, é também a Galp que oferece a oferta mais vantajosa, com uma fatura anual de 1861 euros (cerca de 151 euros por mês). Comparando com a oferta do mercado regulado, a poupança desta família é de 143 a 202 euros por ano. Para este cenário familiar, a oferta dual com a menor fatura é da Galp, com um valor de 2158 euros por ano. Em todos os cenários traçados pela ERSE é possível perceber que as ofertas comerciais mais baratas são sempre mais vantajosas do que as tarifas reguladas.

Se tiver dúvidas, esteja atento às faturas da luz. Atualmente, os fornecedores do mercado livre são obrigados a informar os consumidores sobre o valor da diferença entre o preço praticado em regime de mercado e a nova tarifa regulada.

Para fazer as contas, pode ainda recorrer a simuladores online. A ERSE, a Deco e o Poupa Energia, por exemplo, disponibilizam ferramentas para poder comparar as várias ofertas, tornando mais fácil o processo de seleção.

Sara Fernandes é jornalista do Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.