Moscovici quer lista negra dos paraísos fiscais até ao final do ano

O comissário europeu para os Assuntos Económicos diz que estão a ser analisados cerca de 50 países

Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos, comprometeu-se esta terça-feira a concluir a lista sobre paraísos fiscais até ao final do ano e frisou que a União Europeia está a examinar a situação de mais de cinquenta países.

"Quero que a lista negra seja publicada até ao final do ano", disse Moscovici numa entrevista à rádio France Info sublinhando que se trata da primeira lista negra de paraísos fiscais preparada pela União Europeia.

O comissário europeu disse ainda que estão a ser analisados "cerca de cinquenta países" referindo-se às recentes revelações publicadas pela investigação jornalística Paradise Papers.

Por outro lado, Moscovici criticou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que atualmente só inclui Trinidad e Tobago na lista que elaborou sobre paraísos fiscais.

"Não é sério. Tem de haver mais", afirmou.

Existem outras seis jurisdições: Anguila, Curaçao, Indonésia, San Martín, Turquia e Ilhas Marshall que compõem "uma lista cinzenta" por respeitarem "parcialmente" as regras de intercâmbio de informações elaboradas pelo Fórum Global sobre Transparência Fiscal, organismo que inclui a OCDE.

Questionado sobre a Holanda, que surge na investigação Paradise Papers por causa de um esquema jurídico que permite a empresas como a Nike reduzir os impostos que paga sobre os lucros, Moscovici disse que a situação "já está proibida através de uma diretiva europeia desde 2016" mas que ainda não se encontra em vigor em território holandês.

Sendo assim, a "aplicação da regulação deve acelerar-se", afirmou dirigindo-se às autoridades holandesas.

O responsável para os Assuntos Europeus defendeu também outras propostas de combate às estratégias das empresas e entidades particulares que fogem aos impostos: obrigar os intermediários financeiros a serem transparentes sobre as propostas que fazem aos clientes assim como a publicação de relatórios nacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.