Moody"s alerta para impactos da despesa com saúde no rating

A Moody"s elogiou os pagamentos ao FMI, mas diz que Portugal está entre os países em que o envelhecimento da população mais pode afetar o rating

Portugal está entre os países em que o rating pode vir a estar mais pressionado devido ao envelhecimento da população, segundo a Moody"s. A agência de notação financeira destaca que as tendências da demografia levarão a um aumento da despesa pública com saúde. E revela que esse será um fator a que dará um peso cada vez maior na avaliação dos ratings soberanos.

"A saúde irá tornar-se um aspeto cada vez mais importante na nossa avaliação de crédito. Todos os Estados membros da União Europeia serão confrontados com pressões para aumentar a despesa relacionada com a saúde, o que será refletido na nossa avaliação sobre a solidez orçamental", refere o relatório assinado por Kathrin Muehlbronner, vice-presidente da agência.

E Portugal está no grupo dos mais vulneráveis aos impactos do envelhecimento da população na solidez orçamental. A Moody"s é a única das agências seguidas pelo Banco Central Europeu (BCE) que avalia o rating nacional num nível visto como lixo pelos mercados. Mas os analistas antecipam que possa melhorar a nota neste ano, seguindo os passos da Standard & Poor"s e da Fitch - tem a opção de o fazer a 20 de abril.

Em relação aos desafios causados pelo envelhecimento da população, a Moody"s diz que "no longo prazo, espera-se que Portugal, Malta, Croácia e Eslováquia sejam particularmente afetados, com uma subida da despesa com saúde de quatro ou mais pontos percentuais do produto interno bruto até 2060". Na base do estudo da agência estão estimativas que foram feitas pela Comissão Europeia em 2016.

A agência realça que a despesa com saúde decorrente do envelhecimento da população terá mais impacto do que os gastos com pensões, uma vez que, na maioria dos países, estas continuarão a ter um peso constante em relação ao total da economia. A Moody"s salienta que os dados de Bruxelas apontam para uma subida da despesa pública com saúde na Europa de 7% em 2015 para 7,8% em 2060. E sublinha que "a despesa será o dobro deste ritmo em Portugal, Croácia, Malta e Eslováquia".

A juntar a isso, avisa que "o impacto, sob o ponto de vista do crédito, pode ser particularmente pronunciado para países que têm uma combinação de desafios demográficos com uma atual elevada despesa e dívida pública ". Numa outra nota, divulgada também ontem e em que analisa a estratégia de gestão da dívida de Portugal, a Moody"s recordava que o "fardo da dívida permanece muito elevado em relação aos pares, em cerca de 127% do produto interno bruto".

Moody"s elogia pagamentos ao FMI

Apesar dos alertas sobre os desafios demográficos de longo prazo, numa análise mais centrada nas últimas medidas tomadas por Portugal, a Moody"s destaca aspetos positivos.

"As políticas do governo de gestão ativa da dívida melhoraram a resistência do perfil de dívida aos desenvolvimentos de mercado", considerou a nota assinada por Evan Wohlmann. A analista sénior da Moody"s destacou os pagamentos antecipados ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em janeiro, Portugal devolveu mais 831 milhões de euros à instituição liderada por Christine Lagarde. Desde que o Estado começou com essas amortizações, em 2015, já foi pago 83% do empréstimo de 26,3 mil milhões concedido pelo FMI no âmbito do programa de resgate. E Portugal livrou-se dos juros mais altos que o Fundo cobra para empréstimos acima da quota de cada país na entidade. Os juros do FMI terão um custo adicional de 1%, antes era de 4%.

"Estes esforços refletem o compromisso das autoridades para trancar os custos da dívida por mais tempo e limita os riscos da normalização gradual das taxas de juro", refere a Moody"s.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.