Montijo é a única "opção tecnicamente viável" para a Portela

Novo estudo dos controladores europeus exclui Sintra e Alverca e valida a base do Montijo como melhor solução para Lisboa

Nem Sintra nem Alverca. A base aérea do Montijo é a única "opção tecnicamente viável" para a extensão do aeroporto de Lisboa. A conclusão faz parte de um estudo realizado pelo Eurocontrol - organização europeia para o controlo aéreo europeu - que será apresentado hoje ao grupo de trabalho que inclui governo, Força Aérea, ANA e NAV e que tem vindo a pensar a solução para o futuro do principal ponto de chegada ao país.

O documento, a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso, valida assim a base aérea n.º 6 (BA6) como a melhor solução para complementar o aeroporto de Lisboa enquanto este se mantiver como está. Ou seja, enquanto não for construída uma infraestrutura aérea de raiz que sirva a capital, o Montijo é para o Eurocontrol a opção que garante os 72 movimentos de aviões por hora que permitem dar sustentabilidade ao crescimento do tráfego em "segurança e operação simultânea" com a Portela.

Com esta abertura prevê-se que em 2022 Lisboa possa ter já 695 movimentos diários na pista principal e outros 102 no Montijo. Oito anos mais tarde, o crescimento previsto é de 18% na Portela e 15% no Montijo. Este cenário desenhado pelo Eurocontrol baseia-se numa opção em que a pista 17/35 (a pista secundária da Portela) é encerrada e o Montijo passa a assegurar a complementaridade da Portela. Ali, prevê-se a entrada das companhias aéreas de baixo custo, libertando espaço ao aeroporto principal para as companhias tradicionais (legacy) e favorecendo o hub a que a TAP tanto ambiciona. No espaço da 17/35 poderá ser construído um miniterminal ou pode alargar-se o estacionamento de aeronaves.

O facto de o Montijo conseguir operar em simultâneo com a pista principal da Portela é, para os controladores europeus, a grande vantagem do Montijo e a razão que afasta outras soluções que têm estado em cima da mesa: Alverca e Sintra. Isto, porque a base aérea do Montijo é a única que tem uma pista paralela com a 3/21, a pista principal do aeroporto de Lisboa. Os testes realizados pelo Eurocontrol mostram mesmo que a base do Montijo permite a autorização de descolagens com um minuto de intervalo entre si, o que facilita a otimização de saídas e chegadas. Neste cenário, seria possível que o aeroporto principal realizasse 48 movimentos e o complementar outros 24, por hora.

Não é só. A opção do Montijo dá resposta a um tema sensível para o setor, que é o da segurança à aterragem. Atualmente só a pista secundária da Portela (17/35) permite aterrar em Lisboa quando há ventos contrários.

Mas, apesar desta opção ser considerada a mais válida para o aeroporto de Lisboa do ponto de vista técnico - como também a NAV já tinha advogado -, o Eurocontrol admite que está dependente de uma cedência de frações de espaço que atualmente estão sob gestão e utilização militar, tanto em Sintra como em Monte Real. "A redução das áreas restritas e de perigo permite uma maior sequência de chegadas e encurtar o tempo de espera nas partidas, aumentando o número de movimentos de pista", explicam os especialistas em navegação, acrescentando que "a redução do tempo de espera na aterragem (com menor ocupação da pista) é essencial para que se aumente o número de chegadas e de movimentos".

Numa altura em que a Força Aérea já levanta dúvidas em relação a um plano de expansão conjunto (civil e militar), o uso de espaço militar será mais uma pedra no sapato de Pedro Marques, que prometeu uma solução em breve para o aeroporto de Lisboa e que está mesmo no Orçamento do Estado para o próximo ano. Ainda ontem o ministro assegurava ao Negócios e à Antena 1 que o processo arranca no próximo ano. Em todo o caso, a opção liberta na totalidade o campo de tiro de Alcochete, que a Defesa já considerou "estruturante" para a atividade da Força Aérea (ver texto ao lado).

ANA faz sugestão

O contrato de concessão da gestora aeroportuária prevê estudos para o desenho de um novo aeroporto. No entanto, antes de avançar, o contrato de venda aos franceses da Vinci admite a introdução de uma pista complementar. Quando esta for definida, seja o Montijo ou outra, a ANA terá de fazer uma proposta formal ao governo. Será com base nesta proposta que terá de ser feita uma revisão ao contrato de concessão que poderá vir a ser prolongado.

A ANA ficará como gestora do Portela+1 e poderá ainda estabelecer redução de taxas ou outras alternativas para as companhias que aceitem passar para lá. No entanto, pelo que tem vindo a ser noticiado nos últimos tempos, nem todas as low-cost querem mudar: A Ryanair vê no Montijo a solução para crescer, mas a easyJet não vê com bons olhos a passagem para um aeroporto secundário, já que assenta a sua operação nas infraestruturas principais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.