Moedas: Antecipar medidas? "É sempre bom" que o governo "continue a cumprir"

Em causa a possibilidade de antecipar para o próximo mês de julho das medidas previstas para 2017

O comissário europeu Carlos Moedas considerou esta quarta-feira, numa reação às decisões de Bruxelas, que "é sempre bom" que o governo "continue a cumprir e a executar de uma maneira sólida, aquilo a que se comprometeram". Moedas respondia à questão sobre a possibilidade da antecipação, para julho, de medidas previstas para 2017.

"É muito difícil dizer, porque ainda esta manhã não sabia qual seria a decisão tomada hoje", disse, considerando porém que "é sempre bom, mesmo quando as decisões são sobre o passado, que os governos continuem a cumprir e continuem a executar de uma maneira sólida aquilo a que se comprometeram".

"Isso dá uma boa imagem e um bom ambiente, nas próprias reuniões do colégio, uma vez que têm em conta, não só a parte técnica, mas também o ambiente político [e] aquilo que se está a passar nos países", frisou o antigo governante que coordenou as negociações entre o governo e a troika.

No entanto, questionado sobre se o prazo de julho é tempo dado ao país para apresentar novas medidas, Carlos Moedas responde que os dois meses "dão mais tempo" à Comissão para fazer uma "analise fina" do resultados alcançados "no passado".

"Está dependente da Comissão analisar no tempo aquilo que foi feito, desde 2010. Não podemos olhar apenas para um ano ou dois anos e tomar uma decisão. Obviamente que a decisão tem a ver com o passado, mas vendo vendo todo o esforço que foi feito", disse o comissário, frisando que esse tinha sido "um dos pontos pelos quais se bateu", na reunião do colégio, na qual, apesar do "consenso" alcançado para adiar a decisão, houve "debate".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".