Mobilidade elétrica avança a alta velocidade por todo o mundo

As conquistas do presente e os desafios do futuro na área da mobilidade elétrica foram debatidos nas Plug in Talks, organizadas pela Efacec. A empresa reuniu parceiros nacionais e estrangeiros na nova fábrica da Maia

A mobilidade elétrica veio para ficar e a Efacec - líder mundial na produção de carregadores elétricos rápidos e ultrarrápidos - juntou vários parceiros nacionais e internacionais para debater os desafios que enfrentam os vários agentes envolvidos nesta "revolução elétrica". Empresas de infraestruturas, construtoras automóveis, universidades e autarquias, todos querem estar na linha da frente de um futuro que já é presente.

Pedro Silva, diretor da área de mobilidade elétrica da Efacec, foi um dos primeiros oradores das Plug in Talks e passou em revista os dez anos de trabalho que a empresa já leva nesta área. "Começámos a olhar para a mobilidade elétrica em 2008 e, nessa altura, ainda não havia veículos elétricos à venda no mercado", explicou, destacando a evolução da empresa desde a instalação do primeiro posto de carga rápida da Europa - em Oeiras, em 2010 - aos carregadores sem fios (wireless) que estão agora a dar os primeiros passos.

A integração de cabos refrigerados que permitam continuar a aumentar a potência da rede, a segurança de dados e os certificados digitais para identificar o veículo perante a rede são algumas das apostas para o futuro, de uma empresa que integra grandes projetos mundiais como o consórcio europeu de fabricantes automóveis, que vai instalar estações de carga ultrarrápida nas principais autoestradas da Europa.

Entre os parceiros europeus da Efacec está a Allego, uma empresa holandesa que cria pontos de carga elétrica inteligentes, que permitem ao utilizador carregar o respetivo veículo quando e onde quiser, seja seu ou esteja a ser usado por si. "Estamos no ponto de viragem de um mercado de nicho para um mercado de massas", evidenciou Anja van Niersen, CEO da empresa criada em 2013 com o objetivo de contribuir para um mundo com emissões de carbono zero. Van Niersen destacou também a mudança de paradigma que se vem a afirmar relativamente ao automóvel privado, em que o "utilizar" ganha terreno sobre o "ter".

Aposta nos serviços

Esta mudança de paradigma tem sido um dos principais desafios dos grandes fabricantes de automóveis, que se têm reinventado para servir o novo consumidor. "Na visão da Volkswagen, o automóvel do futuro será elétrico, autónomo e partilhado. O futuro não está em vender automóveis, mas em vender serviços", defendeu Ricardo Tomaz, diretor de comunicação da SIVA, representante do grupo Volkswagen (VW). Rui Bica, coordenador da BMWi, concorda: "As marcas têm de passar do produto para o serviço." A Now é a marca associada aos serviços de mobilidade da BMW, que já tem a operar em Lisboa, em parceria com a Via Verde, o serviço de carsharing (carro partilhado) DriveNow. Também o Grupo PSA, da Peugeot e Citroën, tem investido nos serviços. "No grupo PSA já pensamos em termos de mobilidade e não em termos de automóveis", explicou Jorge Teixeira Magalhães, diretor de comunicação da PSA, que em 2016 criou a plataforma de mobilidade Free2Move.

Para ligar os automóveis aos serviços, a Volkswagen criou a MEB, a plataforma de mobilidade do grupo que funcionará como um ecossistema. A marca prevê lançar, em 2020, o VW I.D., em que o proprietário do veículo poderá contratualizar serviços como aumentos de potência ou faróis especiais pelo telemóvel e apenas para determinado período de tempo. "A maneira de vender serviços vai ser o futuro da indústria automóvel", salientou Ricardo Tomaz. O I.D. Tera, com 400 quilómetros-base de autonomia, é o próximo passo.

O tema das baterias dos veículos também foi abordado nas Plug in Talks, com Helena Braga, investigadora da Universidade do Porto e da Universidade do Texas, a apresentar a bateria inovadora que desenvolveu. Com recurso a elétrodos sólidos e sem eletrólito, esta bateria é mais segura, menos poluente e tem maior capacidade de armazenamento. "Fazemos estes estudos para que empresas como a Efacec utilizem esta inteligência e lhe deem escala", salientou. A beneficiar desta "revolução verde" estarão sempre as cidades e os cidadãos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.