Mobilidade elétrica avança a alta velocidade por todo o mundo

As conquistas do presente e os desafios do futuro na área da mobilidade elétrica foram debatidos nas Plug in Talks, organizadas pela Efacec. A empresa reuniu parceiros nacionais e estrangeiros na nova fábrica da Maia

A mobilidade elétrica veio para ficar e a Efacec - líder mundial na produção de carregadores elétricos rápidos e ultrarrápidos - juntou vários parceiros nacionais e internacionais para debater os desafios que enfrentam os vários agentes envolvidos nesta "revolução elétrica". Empresas de infraestruturas, construtoras automóveis, universidades e autarquias, todos querem estar na linha da frente de um futuro que já é presente.

Pedro Silva, diretor da área de mobilidade elétrica da Efacec, foi um dos primeiros oradores das Plug in Talks e passou em revista os dez anos de trabalho que a empresa já leva nesta área. "Começámos a olhar para a mobilidade elétrica em 2008 e, nessa altura, ainda não havia veículos elétricos à venda no mercado", explicou, destacando a evolução da empresa desde a instalação do primeiro posto de carga rápida da Europa - em Oeiras, em 2010 - aos carregadores sem fios (wireless) que estão agora a dar os primeiros passos.

A integração de cabos refrigerados que permitam continuar a aumentar a potência da rede, a segurança de dados e os certificados digitais para identificar o veículo perante a rede são algumas das apostas para o futuro, de uma empresa que integra grandes projetos mundiais como o consórcio europeu de fabricantes automóveis, que vai instalar estações de carga ultrarrápida nas principais autoestradas da Europa.

Entre os parceiros europeus da Efacec está a Allego, uma empresa holandesa que cria pontos de carga elétrica inteligentes, que permitem ao utilizador carregar o respetivo veículo quando e onde quiser, seja seu ou esteja a ser usado por si. "Estamos no ponto de viragem de um mercado de nicho para um mercado de massas", evidenciou Anja van Niersen, CEO da empresa criada em 2013 com o objetivo de contribuir para um mundo com emissões de carbono zero. Van Niersen destacou também a mudança de paradigma que se vem a afirmar relativamente ao automóvel privado, em que o "utilizar" ganha terreno sobre o "ter".

Aposta nos serviços

Esta mudança de paradigma tem sido um dos principais desafios dos grandes fabricantes de automóveis, que se têm reinventado para servir o novo consumidor. "Na visão da Volkswagen, o automóvel do futuro será elétrico, autónomo e partilhado. O futuro não está em vender automóveis, mas em vender serviços", defendeu Ricardo Tomaz, diretor de comunicação da SIVA, representante do grupo Volkswagen (VW). Rui Bica, coordenador da BMWi, concorda: "As marcas têm de passar do produto para o serviço." A Now é a marca associada aos serviços de mobilidade da BMW, que já tem a operar em Lisboa, em parceria com a Via Verde, o serviço de carsharing (carro partilhado) DriveNow. Também o Grupo PSA, da Peugeot e Citroën, tem investido nos serviços. "No grupo PSA já pensamos em termos de mobilidade e não em termos de automóveis", explicou Jorge Teixeira Magalhães, diretor de comunicação da PSA, que em 2016 criou a plataforma de mobilidade Free2Move.

Para ligar os automóveis aos serviços, a Volkswagen criou a MEB, a plataforma de mobilidade do grupo que funcionará como um ecossistema. A marca prevê lançar, em 2020, o VW I.D., em que o proprietário do veículo poderá contratualizar serviços como aumentos de potência ou faróis especiais pelo telemóvel e apenas para determinado período de tempo. "A maneira de vender serviços vai ser o futuro da indústria automóvel", salientou Ricardo Tomaz. O I.D. Tera, com 400 quilómetros-base de autonomia, é o próximo passo.

O tema das baterias dos veículos também foi abordado nas Plug in Talks, com Helena Braga, investigadora da Universidade do Porto e da Universidade do Texas, a apresentar a bateria inovadora que desenvolveu. Com recurso a elétrodos sólidos e sem eletrólito, esta bateria é mais segura, menos poluente e tem maior capacidade de armazenamento. "Fazemos estes estudos para que empresas como a Efacec utilizem esta inteligência e lhe deem escala", salientou. A beneficiar desta "revolução verde" estarão sempre as cidades e os cidadãos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."