Ministro elogia fibra ótica da Altice na ajuda a fixar populações

Projeto de infraestruturação em fibra ótica da Altice Portugal do Maciço Central da Serra da Estrela elogiado por governo e autarca

"Nos últimos 10 anos, o interior do país perdeu cerca de 10% da população e as áreas protegidas perderam 20% da população. Nós não podemos ficar indiferentes a números destes e por isso temos de perceber que temos de saber desenvolver estes territórios, temos de olhar para eles como ativos que têm de ser geridos e para serem bem geridos quanto mais bem infraestruturados estiverem, melhor isso pode acontecer porque maior é a capacidade que temos de fixar aqui pessoas, que promovem atividades tradicionais que são também elas importantes para a criação de biodiversidade." Foi desta forma que ontem o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, reagiu ao projeto de infraestruturação em fibra ótica da Altice Portugal que vai ligar seis concelhos na área do Maciço Central da Serra da Estrela.

Seia, Covilhã, Manteigas, Gouveia, Fundão e Oliveira do Hospital (incluindo perto de meia centena de freguesias) vão assim beneficiar de um verdadeiro projeto de interesse público, potenciando a criação de valor nestes territórios e na região como um todo. "É um investimento inédito de vários milhões de euros, que vai ter agora início e criar infraestruturas onde nunca houve, permitindo a ligação destas populações às autoestradas da informação, algo que nunca aconteceu em várias décadas", explica a empresa.

O projeto de infraestruturação em fibra ótica de seis concelho do Maciço Central da Serra da Estrela já começou a ser apresentado, em Seia, aos autarcas da região, representantes de Juntas de Freguesia, empresários, associações empresariais da região e demais entidades. Em Seia, o ministro do Ambiente aplaudiu o projeto e defendeu a "imensa importância" deste investimento para o Parque Natural da Serra da Estrela. .

"Hoje, nestas regiões, as populações só podem usufruir deste tipo de serviços através da Altice Portugal, único operador que investe localmente. Uma aposta da empresa que faz do investimento em zonas de baixa densidade populacional uma prioridade, como são disso exemplo os Call Centers da Guarda, Covilhã e Castelo Branco, e o Data Center da Covilhã, na mesma região", adianta ainda a Altice. Este investimento, em estreita parceria com os municípios da região, vai ainda ser uma mais-valia na captação de investimento privado e, a médio e longo prazo, na criação de emprego.

Para o Presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, em declarações à Centro TV, estes investimentos são fundamentais "porque podem trazer-nos uma nova visão de desenvolvimento do nosso próprio território e de todos estes concelhos. A Altice já tinha feito, em Oliveira do Hospital, uma primeira fase de infraestruturação na cidade e em todos os núcleos urbanos próximos à cidade, por isso, já estávamos um bocadinho à frente". José Carlos Alexandrino reconhece ainda "esse esforço neste projeto que tornará todos estes concelhos mais competitivos. Termos a fibra ótica é fundamental para projetos e para fazermos com que algumas empresas se instalem nos nossos territórios".

Também em Seia, o presidente executivo da Altice Portugal sublinhou o conceito de proximidade como um dos vetores chave da empresa no país. "O mais importante dentro daquilo que é a estratégia da Altice para Portugal é o conceito da proximidade", garantiu Alexandre Fonseca, acrescentando que "é fundamental que, além dos investimentos que fazemos de uma perspetiva comercial, no âmbito da infraestruturação de fibra ótica estejamos próximos das regiões que por outros têm sido esquecidas". A Altice Portugal sublinha a necessidade de haver alavancas para o desenvolvimento destes territórios, o que passa também pela garantia de acesso às autoestradas da informação. "A Altice Portugal é um operador nacional, assume-se como tal, e indentificámos aqui a região específica da Serra da Estrela, nestes seis concelhos, e neles procuramos agora com esta infraestruturação trazer as autoestradas da informação. Acreditamos que, ao fazê-lo, estamos a contribuir também para o desenvolvimento das economias regionais, para a captação de investimento, para a fixação das populações e com isso ajudar no combate à desertificação. Este é também o nosso contributo de proximidade para o desenvolvimento da economia do país e este é um dos vetores chave da nossa estratégia para Portugal", concluiu.

A Altice Portugal mantém, assim, o foco de investir em infraestruturas de fibra ótica de última geração, assim como na modernização da Rede Móvel e na expansão do 4G e lançamento do 4G+, que chegará a 70% dos portugueses até este verão, de forma a garantir a qualidade do serviço e a evidente satisfação do cliente, ligando populações e empresas até agora privadas de acesso a tecnologia de última geração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".