Miguel Maya promete entregar mais lucros aos acionistas do BCP

Assembleia geral aprovou a nova equipa de gestão do BCP. Miguel Maya sobe a presidente executivo. Sonangol, o segundo maior acionista, pediu dividendos

O Millennium bcp, segundo maior banco privado em Portugal virou ontem mais uma página na sua história. O banco, que tem a chinesa Fosun como principal acionista, entra numa nova fase com Miguel Maya ao leme. O novo presidente executivo do banco - que aguarda apenas autorização do Banco Central Europeu para assumir as novas funções - era o número dois do anterior CEO, Nuno Amado, que agora passa a chairman. Mas, apesar de garantir uma continuidade do trabalho já feito por Nuno Amado, Maya aponta um caminho de crescimento para o BCP e garante que vai levar o BCP "de um ciclo de resiliência para um ciclo de vitalidade", entregando mais lucros aos acionistas. O BCP aumentou o lucro para 186,4 milhões de euros em 2017. No ano anterior tinha tido um resultado de 23,9 milhões de euros. Ontem, os acionistas aprovaram as contas de 2017 e a aplicação de resultados, que não prevê o pagamento de dividendos.

A confirmação de Miguel Maya para a liderança da comissão executiva do BCP foi feita ontem pelos acionistas do banco que reuniram em assembleia geral (AG) no Taguspark, em Oeiras. A maioria dos dez pontos em agenda foi aprovada com mais de 99% do capital presente na sala, que rondou os 63%.

O banco reduziu o número de administradores de 19 para 17. Entre as principais novidades está a saída de António Mexia do conselho de administração. A EDP não tem agora nenhum representante nos órgãos sociais do banco. António Mexia ficou de fora da lista de nomes propostos aos acionistas depois de uma década no BCP. O presidente executivo da EDP foi constituído arguido em junho de 2017 no âmbito da investigação aos CMEC (Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual). Outra novidade é Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade, que entra para administrador do BCP, em representação da Fosun. A chinesa é o maior acionista do banco, com 27,06% do capital, seguida da petrolífera angolana Sonangol, com uma posição de 19,49%. A maior gestora de ativos do mundo, a BlackRock, detém 2,83% e o grupo EDP 2,11%.

A Sonangol pediu dividendos e mais lucros ao BCP. Carlos Saturnino, presidente do grupo angolano, referiu ontem, à margem da AG, que espera que o BCP consiga ter lucros acima dos 300 milhões de euros estimados para 2018. Disse também que a Sonangol está satisfeita por ser o segundo maior acionista, atrás da chinesa Fosun, e não tem planos neste momento para reforçar a sua posição no capital. "Ser a segunda força não é mau. E recordo que a Fosun entrou no banco com o aval da Sonangol. Nós facilitámos a entrada da Fosun", afirmou Saturnino aos jornalistas, após a AG. "A própria Sonangol está, neste momento, num programa de regeneração que vai fazer a reorganização de todo o grupo empresarial", referiu. E apontou que "a própria gestão do banco não fez ainda nenhum apelo no sentido de um aumento de capital ou um reforço nesse sentido".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.