Microsoft ultrapassa a marca do bilião de dólares em bolsa

Gigante de Redmond junta-se à Apple e Amazon no restrito clube de empresas acima de um milhão de milhões de dólares

A Microsoft ultrapassou esta quinta-feira, pela primeira vez, o marco de um bilião de dólares em capitalização bolsista, impulsionada pelos bons resultados trimestrais apresentados na quarta-feira, tornando-se na terceira tecnológica a atingir esta fasquia.

A Microsoft junta-se assim à Apple e Amazon ao entrar no seletivo clube de empresas que conseguiram estar valorizadas em mais de um milhão de milhões de dólares (acima de um bilião de dólares) na bolsa norte-americana.

Os títulos da tecnológica com sede em Redmond (Washington) ganharam 5% no início da sessão no Nasdak e chegaram a atingir 131,37 dólares, acima da fasquia de 130,51 dólares necessários para atingir o marco.

Na quarta-feira, a Microsoft anunciou resultados do terceiro trimestre terminado em março acima dos estimado pelos analistas, com as receitas a subirem 14% para 30,6 mil milhões de dólares (cerca de 27,3 mil milhões de euros, à taxa de câmbio atual).

Os lucros subiram 18,6% para 8,8 mil milhões de dólares (7,8 mil milhões de euros).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?