Mercedes quer contratar em Portugal 115 jovens talentos da programação

Marca alemã abre em Lisboa primeiro centro mundial de competências na área digital e de software. Governo assinala aposta na inovação e no empreendedorismo de Portugal e na retenção de jovens qualificados

Portugal foi escolhido pela Mercedes para abrir o primeiro centro mundial de competências a nível digital. A partir de Lisboa, o gigante alemão da indústria automóvel vai fornecer soluções tecnológicas para todo o mundo, à exceção da China e dos EUA. Para o desenvolvimento do Digital Delivery Hub, a empresa quer contratar até ao final do ano 115 programadores, que vão juntar-se aos dez jovens talentos que já estão a trabalhar no centro. Se este for bem-sucedido, poderá dar emprego a mais de 300 pessoas e estender-se a outras áreas, como os veículos pesados. A funcionar desde 1 de maio, o Digital Delivery Hub vai ser apresentado hoje, numa cerimónia que contará com a presença do primeiro-ministro António Costa.

"Neste espaço, em Lisboa, vamos construir e desenvolver produtos digitais para todo o mundo, entregando experiências de luxo que abrangem todas as facetas dos movimentos das pessoas no dia-a-dia", refere fonte oficial da marca alemã ao DN/Dinheiro Vivo. Para já instalado no espaço de cowork Second Home, na zona do Cais do Sodré, é bastante provável que o centro digital da marca possa mudar-se para o Hub Criativo do Beato assim que este estiver concluído.

A Mercedes, mais do que uma fabricante automóvel premium (segmento superior), quer transformar-se numa fornecedora líder do mercado de serviços de mobilidade. "No futuro, simplesmente construir carros não vai chegar", assinala. A criação de aplicações ligadas aos automóveis da marca alemã e o desenvolvimento de tecnologias para a condução autónoma são dois dos exemplos das tarefas que serão realizadas a partir de Lisboa. A aplicação que permitir chamar um automóvel poderá ser criada a partir da capital portuguesa.

Mas a marca alemã também vai desenvolver, a partir do nosso país, ferramentas para subsidiárias da Daimler como a myTaxi, uma aplicação para chamar táxis e que está presente em Portugal desde final de 2015, e a Car2Go, plataforma de partilha de carros instalada em oito países mas que não está presente em território nacional.

Para o desenvolvimento destas soluções, a Mercedes vai contratar 115 jovens até ao final deste ano para as áreas de desenvolvimento de software, programação de aplicações (apps), Big Data, Cloud computing (computação em nuvem), tecnologia Java, solução de programação Java Script e programadores de Adobe Experience Manager (AEM). As candidaturas também estão abertas a estrangeiros, desde que revelem grande potencial.

A chegada deste centro de competências digital é visto pelo governo como uma aposta na inovação e empreendedorismo e um dos efeitos do esforço em captar investidores internacionais.

A própria Mercedes assinala o contributo do município e do executivo para trazer este investimento para Portugal. "O governo português e a Câmara Municipal de Lisboa acompanharam toda a fase de implementação do novo centro, dinamizando todo o processo burocrático.

As autoridades portuguesas pretendem aproveitar este impulso para transformar a cidade de Lisboa no próximo hotspot digital a nível mundial. Graças a este envolvimento, Lisboa ficou à frente de cidades como Barcelona, Londres e Berlim, que também pretendiam ficar com este centro digital. Este espaço será dirigido por um português, segundo o DN/Dinheiro Vivo apurou.

Esta é a segunda aposta da marca alemã em Portugal - onde lidera o segmento premium e está em quarto lugar na tabela de vendas - no espaço de pouco mais de um ano. Em julho de 2016, a Mercedes instalou o centro de serviços Network Assistance Center, que dá apoio técnico e nos processos de pós-venda à rede de oficinas da marca automóvel na Europa.

Até ao final deste ano, este centro deve contar com 30 funcionários e pretende-se que a partir do território nacional sejam fornecidos serviços para grande parte dos clientes europeus, à exceção da Alemanha.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.