Mercedes quer contratar em Portugal 115 jovens talentos da programação

Marca alemã abre em Lisboa primeiro centro mundial de competências na área digital e de software. Governo assinala aposta na inovação e no empreendedorismo de Portugal e na retenção de jovens qualificados

Portugal foi escolhido pela Mercedes para abrir o primeiro centro mundial de competências a nível digital. A partir de Lisboa, o gigante alemão da indústria automóvel vai fornecer soluções tecnológicas para todo o mundo, à exceção da China e dos EUA. Para o desenvolvimento do Digital Delivery Hub, a empresa quer contratar até ao final do ano 115 programadores, que vão juntar-se aos dez jovens talentos que já estão a trabalhar no centro. Se este for bem-sucedido, poderá dar emprego a mais de 300 pessoas e estender-se a outras áreas, como os veículos pesados. A funcionar desde 1 de maio, o Digital Delivery Hub vai ser apresentado hoje, numa cerimónia que contará com a presença do primeiro-ministro António Costa.

"Neste espaço, em Lisboa, vamos construir e desenvolver produtos digitais para todo o mundo, entregando experiências de luxo que abrangem todas as facetas dos movimentos das pessoas no dia-a-dia", refere fonte oficial da marca alemã ao DN/Dinheiro Vivo. Para já instalado no espaço de cowork Second Home, na zona do Cais do Sodré, é bastante provável que o centro digital da marca possa mudar-se para o Hub Criativo do Beato assim que este estiver concluído.

A Mercedes, mais do que uma fabricante automóvel premium (segmento superior), quer transformar-se numa fornecedora líder do mercado de serviços de mobilidade. "No futuro, simplesmente construir carros não vai chegar", assinala. A criação de aplicações ligadas aos automóveis da marca alemã e o desenvolvimento de tecnologias para a condução autónoma são dois dos exemplos das tarefas que serão realizadas a partir de Lisboa. A aplicação que permitir chamar um automóvel poderá ser criada a partir da capital portuguesa.

Mas a marca alemã também vai desenvolver, a partir do nosso país, ferramentas para subsidiárias da Daimler como a myTaxi, uma aplicação para chamar táxis e que está presente em Portugal desde final de 2015, e a Car2Go, plataforma de partilha de carros instalada em oito países mas que não está presente em território nacional.

Para o desenvolvimento destas soluções, a Mercedes vai contratar 115 jovens até ao final deste ano para as áreas de desenvolvimento de software, programação de aplicações (apps), Big Data, Cloud computing (computação em nuvem), tecnologia Java, solução de programação Java Script e programadores de Adobe Experience Manager (AEM). As candidaturas também estão abertas a estrangeiros, desde que revelem grande potencial.

A chegada deste centro de competências digital é visto pelo governo como uma aposta na inovação e empreendedorismo e um dos efeitos do esforço em captar investidores internacionais.

A própria Mercedes assinala o contributo do município e do executivo para trazer este investimento para Portugal. "O governo português e a Câmara Municipal de Lisboa acompanharam toda a fase de implementação do novo centro, dinamizando todo o processo burocrático.

As autoridades portuguesas pretendem aproveitar este impulso para transformar a cidade de Lisboa no próximo hotspot digital a nível mundial. Graças a este envolvimento, Lisboa ficou à frente de cidades como Barcelona, Londres e Berlim, que também pretendiam ficar com este centro digital. Este espaço será dirigido por um português, segundo o DN/Dinheiro Vivo apurou.

Esta é a segunda aposta da marca alemã em Portugal - onde lidera o segmento premium e está em quarto lugar na tabela de vendas - no espaço de pouco mais de um ano. Em julho de 2016, a Mercedes instalou o centro de serviços Network Assistance Center, que dá apoio técnico e nos processos de pós-venda à rede de oficinas da marca automóvel na Europa.

Até ao final deste ano, este centro deve contar com 30 funcionários e pretende-se que a partir do território nacional sejam fornecidos serviços para grande parte dos clientes europeus, à exceção da Alemanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)