Mais veículos e construção geram maior retoma em quase 17 anos

Retoma ganhou força no segundo trimestre. INE reviu crescimento em alta ligeira, para 2,9%. Meta anual do governo é 1,8%

As exportações estão com força, mas as importações abafam o seu contributo para a retoma. O que está, de facto, a acelerar a economia no segundo trimestre é o investimento, sobretudo em "veículos de transporte" e "construção", indicou ontem o Instituto Nacional de Estatística (INE). O consumo privado, o maior agregado do produto interno bruto (PIB), abrandou, mas ainda assim deu uma ajuda.

Contas feitas, a economia cresceu mais no segundo trimestre do que o estimado inicialmente. O INE reviu em alta o crescimento homólogo (face à primeira estimativa, há 15 dias) para 2,9%, o ritmo mais elevado em quase 17 anos.

É preciso recuar até final de 2000 para encontrar um número superior (3,8%).

Na nota sobre as contas nacionais do segundo trimestre, o INE diz que "a procura interna manteve um contributo positivo elevado, superior ao do trimestre precedente, em resultado da aceleração do investimento".

Por um lado, a procura interna (apoiada no investimento, que acelerou para 9,3%) acabou por explicar 97% da expansão, com um contributo de 2,8 pontos percentuais (p.p.) para os tais 2,9%.

Já o contributo da procura externa líquida "manteve-se ligeiramente positivo no segundo trimestre (0,1 p.p.)", verificando-se "uma desaceleração das exportações de bens e serviços de magnitude idêntica à observada nas importações".

As vendas ao exterior abrandaram de 9,5% no primeiro trimestre para 8,2% no período de abril-junho. No entanto, as importações (que roubam valor ao PIB) acabaram por reequilibrar pois também perderam gás. Desaceleraram de 8,8% para 7,5% no período em análise. Ainda assim, um ritmo elevado em termos históricos.

Mais investimento

O forte impulso homólogo do investimento, o maior em dois anos, acontece por duas razões: houve mais dinheiro aplicado em veículos de transporte (como veículos ligeiros e pesados para transporte de mercadorias) e na construção, mas também há um efeito de base (o investimento estava a cair 2,2% há um ano a esta parte).

O INE diz que o investimento fixo (sem variação de existências, a chamada FBCF) em equipamento de transporte "foi a componente que mais contribuiu para a aceleração da FBCF no segundo trimestre, registando um aumento homólogo de 33,1% (10,6% no trimestre anterior), influenciada em particular pelo comportamento da componente automóvel".

Além disso, "destaca-se também o crescimento mais intenso" do investimento em construção, que acelerou de 8,6% no 1.º trimestre para 9,5% agora. E tudo indica que o investimento deve continuar a recuperar pois também esteve a cair no terceiro trimestre de 2016 (efeito de base será favorável este ano) e há uma série de atividades que ainda vão acontecer.

É o caso do megaevento Web Summit, em Lisboa, em novembro, que deve puxar por este indicador, pelo consumo e pelas exportações (faturação na hotelaria ou outros ramos ligados ao turismo, por exemplo). Além disso, os fundos europeus continuam a entrar, cada vez com mais força, ajudando a uma aceleração nas pequenas e médias obras públicas, sobretudo nesta altura - véspera das eleições autárquicas, marcadas para 1 de outubro.

Famílias mais moderadas

A nota menos favorável no que toca à dinâmica de crescimento acabou por vir do consumo privado, com as famílias a moderarem bastante a compra de bens duradouros (como carros, eletrodomésticos, artigos de eletrónica) e a acelerarem apenas ligeiramente nos gastos com bens não duradouros (como a alimentação). Tudo considerado, o consumo privado que estava a crescer 2,3% no início deste ano, abrandou para 2,1%.

Segundo o INE, "as despesas em consumo final em bens duradouros das famílias residentes registaram um crescimento homólogo menos intenso, de 3,4%", quando tinha chegado a ser de 5,9% no arranque deste ano. O instituto diz que foi "devido à desaceleração da aquisição de automóveis".

O INE destaca ainda uma contração mais profunda do consumo público. "O consumo público apresentou uma taxa de variação homóloga de -0,9% (variação de -0,4% no trimestre anterior). Note-se que a evolução do consumo público a partir do 2.º semestre de 2016 foi influenciada pela alteração do período normal de trabalho na administração pública de 40 para 35 horas semanais, com o consequente aumento do deflator da componente de remunerações e efeito negativo em volume", explica a mesma fonte.

Acima da meta do governo

Para este ano, o governo espera um crescimento económico de 1,8% (Programa de Estabilidade), sendo que o Orçamento do Estado está montado em cima de um cenário ainda mais humilde (1,5%).

Significa isto, que os 2,8% do primeiro trimestre e os 2,9% alcançados agora no período abril-junho estão largamente acima dessas metas, aproximando-se dos cerca de 3% já acenados pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, ou dos 3,2% referindo en passant pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, aqui há uns meses. Ontem, o Presidente da República pediu mais do que 2,9%: "é preciso um pouco mais, tenho falado em 3% ou acima de 3%."

A aceleração do crescimento ajuda a economia e isso reflete-se na execução orçamental, que está a correr de feição. A receita continua a subir acima do ritmo orçamentado; os gastos estão contidos. O desemprego está a descer, gerando menos despesa social.

Além de permitir alcançar a meta do défice deste ano (1,5% do PIB), também ajuda a diminuir a carga da dívida, para 127,7%, prometeu Centeno há dias.

Reagindo aos dados do INE, o primeiro-ministro, António Costa, disse que os "bons números" dos últimos nove meses não são uma exceção, mas sim "o princípio de uma década de convergência" face à Europa.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.