Mais de dois terços do combustível vendido é simples

Desde 17 de abril de 2015 é obrigatória a venda de combustível simples em todos os postos de abastecimento

Mais de dois terços do combustível vendido em julho nos postos de abastecimento nacionais foi simples, com os hipermercados a perderem quota de mercado para os postos tradicionais, segundo a Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC).

De acordo com a radiografia ao mercado publicada esta segunda-feira pela ENMC, relativa ao mês de julho, 68,1% do gasóleo comercializado foi simples (sem aditivos), contra 31,90% de aditivado, e na gasolina 67,84% vendida foi simples, face a 24,62% de gasolina aditivada.

No mesmo mês, as três principais marcas - Galp, BP e Repsol - venderam 60% do combustível, seguidas pelas 'outras marcas', que representaram 21% das vendas, enquanto os postos dos hipermercados aparecem na terceira posição, com 18,83% do combustível vendido.

Antes da introdução dos combustíveis simples, os postos de abastecimento dos hipermercados chegaram a liderar o mercado dos combustíveis, com uma quota superior a 30%, ultrapassando inclusive o líder de mercado, a Galp Energia, segundo dados fornecidos pela Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED).

O combustível simples, que desde 17 de abril de 2015 é obrigatoriamente vendido em todos os postos de abastecimento, é aquele que sai diretamente da refinaria para o consumidor, sem qualquer aditivação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.