Mais 200 empregos em novas multinacionais anunciadas para Santa Maria da Feira

Multinacionais de calçado e relojoaria vão instalar-se no concelho

O presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa, revelou hoje que se prevê a criação de mais 200 postos de trabalho em novas multinacionais de calçado e relojoaria que preparam a sua instalação no concelho.

Uma dessas novas unidades pertence à Magnanni, a empresa com sede em Espanha que fabrica calçado masculino de gama alta e se propõe criar agora no Parque Empresarial de Recuperação de Materiais, em Pigeiros, uma nova fábrica de 10.000 metros quadrados.

O edifício deverá entrar em laboração no período "entre 2018 e 2019" e, segundo Emídio Sousa, a marca propõe-se criar 100 novos postos de trabalho no arranque da sua atividade, embora "com a possibilidade de contratar mais pessoas no futuro".

Já a multinacional suíça Multicuirs, que fabrica alta relojoaria para marcas como a Cartier, deverá ter a sua unidade da Feira a funcionar em 2018 e de início criará 20 empregos, com a possibilidade de "contratar mais 80 pessoas numa etapa posterior" da produção.

A primeira leva de funcionários irá receber formação na Suíça antes de entrar ao serviço na fábrica, que ocupará 12.000 metros quadrados no parque empresarial a Norte do centro de congressos Europarque.

Emídio Sousa realçou que essa área industrial está a ficar especializada nas novas tecnologias, enquanto a zona situada junto à entrada do Europarque se vem consolidando como "um cluster de Saúde", porque, além da clínica de oncologia Lenitudes, também se prepara para acolher a empresa de bioengenharia BoneEasy, que já desenvolve em Ovar enxertos ósseos sob medida e implantes dentários personalizados.

O projeto de construção da nova unidade está em fase de aprovação pela Câmara e envolve 5.000 metros quadrados de terreno.

"Como queremos captar investigadores e cérebros para essa zona, também estamos a criar melhores condições para que essas pessoas possam ter os filhos a estudar no local", afirmou Emídio Sousa. "É por isso que, dentro desse perímetro, está a ser criado um novo colégio privado com uma oferta educativa de grande rigor e exigência", revelou.

Para o autarca, são investimentos como estes que vêm contribuindo para a diminuição do desemprego no concelho, onde em 2013 havia mais de 10.600 pessoas sem atividade laboral, o que representava 15,1% da população, e atualmente há 5.500, o que constitui uma taxa de 7,5%.

"Esta evolução é absolutamente notável, até porque sempre quisemos baixar o desemprego para uma taxa abaixo dos dois dígitos, mas nunca pensei atingir estes números", admite o presidente da Câmara.

"Isto reforça a nossa convicção de que os investimentos que trouxemos para a Feira e que entram em fase de construção nos próximos meses vão conduzir, dentro de um a dois anos, a uma situação de pleno emprego no concelho", concluiu o autarca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.