Mais 200 empregos em novas multinacionais anunciadas para Santa Maria da Feira

Multinacionais de calçado e relojoaria vão instalar-se no concelho

O presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa, revelou hoje que se prevê a criação de mais 200 postos de trabalho em novas multinacionais de calçado e relojoaria que preparam a sua instalação no concelho.

Uma dessas novas unidades pertence à Magnanni, a empresa com sede em Espanha que fabrica calçado masculino de gama alta e se propõe criar agora no Parque Empresarial de Recuperação de Materiais, em Pigeiros, uma nova fábrica de 10.000 metros quadrados.

O edifício deverá entrar em laboração no período "entre 2018 e 2019" e, segundo Emídio Sousa, a marca propõe-se criar 100 novos postos de trabalho no arranque da sua atividade, embora "com a possibilidade de contratar mais pessoas no futuro".

Já a multinacional suíça Multicuirs, que fabrica alta relojoaria para marcas como a Cartier, deverá ter a sua unidade da Feira a funcionar em 2018 e de início criará 20 empregos, com a possibilidade de "contratar mais 80 pessoas numa etapa posterior" da produção.

A primeira leva de funcionários irá receber formação na Suíça antes de entrar ao serviço na fábrica, que ocupará 12.000 metros quadrados no parque empresarial a Norte do centro de congressos Europarque.

Emídio Sousa realçou que essa área industrial está a ficar especializada nas novas tecnologias, enquanto a zona situada junto à entrada do Europarque se vem consolidando como "um cluster de Saúde", porque, além da clínica de oncologia Lenitudes, também se prepara para acolher a empresa de bioengenharia BoneEasy, que já desenvolve em Ovar enxertos ósseos sob medida e implantes dentários personalizados.

O projeto de construção da nova unidade está em fase de aprovação pela Câmara e envolve 5.000 metros quadrados de terreno.

"Como queremos captar investigadores e cérebros para essa zona, também estamos a criar melhores condições para que essas pessoas possam ter os filhos a estudar no local", afirmou Emídio Sousa. "É por isso que, dentro desse perímetro, está a ser criado um novo colégio privado com uma oferta educativa de grande rigor e exigência", revelou.

Para o autarca, são investimentos como estes que vêm contribuindo para a diminuição do desemprego no concelho, onde em 2013 havia mais de 10.600 pessoas sem atividade laboral, o que representava 15,1% da população, e atualmente há 5.500, o que constitui uma taxa de 7,5%.

"Esta evolução é absolutamente notável, até porque sempre quisemos baixar o desemprego para uma taxa abaixo dos dois dígitos, mas nunca pensei atingir estes números", admite o presidente da Câmara.

"Isto reforça a nossa convicção de que os investimentos que trouxemos para a Feira e que entram em fase de construção nos próximos meses vão conduzir, dentro de um a dois anos, a uma situação de pleno emprego no concelho", concluiu o autarca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.