Macau sai da lista negra europeia de paraísos ficais

Macau vai manter-se, porém, sob vigilância na zona cinzenta

A União Europeia (UE) retirou hoje Macau e outras sete jurisdições da 'lista negra' de paraísos fiscais, mas mantém-nas sob vigilância na zona cinzenta, onde consta, por exemplo Cabo Verde.

Os ministros das Finanças da UE formalizaram hoje a retirada de Macau, Panamá, Coreia do Sul, Emirados Árabes Unidos, Mongólia, Tunísia, Granada e Barbados da 'lista negra' de paraísos fiscais, adotada a 5 de dezembro, que passa assim a integrar apenas nove países.

Na semana passada, os embaixadores dos Estados-membros junto da UE tinham já recomendado a redução da 'lista negra', tendo o comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, referido que tal se deveu a "um processo construtivo" de cooperação fiscal.

Estando agora na 'lista cinzenta', Macau e os outros países continuam "sob o radar da UE", alertou Moscovici e se não cumprirem os compromissos assumidos, regressam à 'lista das jurisdições não cooperantes'.

A partir de hoje, a 'lista negra' inclui apenas a Samoa Americana, Bahrein, Guão, Ilhas Marshall, Namíbia, Palau, Santa Lúcia, Samoa e Trindade e Tobago.

A UE elaborou então uma lista 'cinzenta' que passa a integrar 55 jurisdições que se comprometeram a cumprir os critérios exigidos em termos de legislação fiscal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?